A marca americana convidou jornalistas portugueses e espanhóis a testar alguns dos seus novos produtos nas ruas de Madrid. As ebikes Specialized de vocação urbana estiveram em grande destaque, com o lançamento das novas Turbo Como e Turbo Levo.

Neste momento, a gama electrificada das bicicletas urbanas eActive deste construtor dividem-se entre os modelos mais leves, designados Turbo SL e os modelos chamados “full power”, que recebem apenas a palavra Turbo.

As diferenças são muito significativas, porque as primeiras passam bem por bicicletas clássicas, com um apoio providencial quando é mesmo preciso. São ágeis e fáceis de transportar ou colocar num suporte. O motor e a bateria, desenvolvidos pela própria Specialized, são mais pequenos e integrados no quadro.

As “Full Power” são uma espécie diferente. Mais pesadas, mas com motor mais potente e bateria de maior capacidade, são destinadas a quem procura deslocações sem esforço na cidade, independentemente das inclinações. Resumindo, ideiais para “passar a ferro” as subidas de uma cidade como o Porto, Coimbra ou Lisboa.

Como boas Pedelec, têm a assistência limitada a 25 km/h, dispensam licença, matrícula e seguro e podem ser utilizadas nas ciclovias. Tal como qualquer bicicleta clássica.

Elétricas urbanas dominam na Europa

Madrid é conhecida pelos seus problemas de trânsito e de poluição atmosférica. Têm sido introduzidas algumas restrições aos veículos com motor de combustão, mas não com a velocidade que muitos desejam.

Nelson Risso, Diretor de Marketing da Specialized na Península Ibérica, deu início à apresentação das novas ebikes Specialized. Foram passados em revista os inúmeros benefícios que o uso da bicicleta traz para a sociedade. Desde a redução da poluição, substituindo o automóvel, ao contributo para uma vida mais saudável, tudo está enumerado e mesmo quantificado. E pode representar poupanças de muitos milhares de milhões de euros.

Mas, dos vários números revelados na apresentação chamou-me a atenção que o setor das bicicletas elétricas urbanas já representa 35% do total de vendas das ebikes na Europa. E isto, numa altura em que muitas cidades ainda não têm uma rede ciclável eficiente e segura.

Com este número em mente, é perfeitamente compreensível a aposta crescente e muito completa da Specialized neste setor. Das urbanas puras, Vado, Como e as suas variantes SL, às desportivas como a Levo, Kenovo e a Creo.

A estas juntar-se-á também em breve a nova Tero, um cruzamento entre uma urbana mais ágil e uma bicicleta rígida de montanha. Partilhando o quadro e a tecnologia de eletrificação da Vado, a Specialized conseguirá otimizar a produção, baixar custos e colocá-la no mercado a um preço mais competitivo.

Sobre todos os detalhes da nova gama de ebikes Specialized, pode ler aqui.

Dia sem carros, numa cidade cheia de carros…

Como eu já tinha tido a sorte de viver uns dias com a nova Turbo Vado SL, foi-me confiada a nova Turbo Vado 2022, uma das novas “full power”, com bastantes melhorias face ao modelo anterior.

As Turbo Vado e Turbo Como estão agora disponíveis com dois tamanhos de bateria (530 e 710 Wh) e motores com três níveis de binário, de 50, 70 e 90 Nm. Também estão disponíveis com várias opções de transmissão, com cassete de 9 ou 10 velocidades e desviador traseiro, com mudanças de cubo e até com um sistema linear de variação contínua, chamado Stepless Shifting. Na rampa do estacionamento ficou bem aparente que a minha tarefa estava bastante facilitada. Subi sem qualquer esforço, no apoio intermédio “Sport”.

O novo mini-painel de instrumentos Mastermind é muito intuitivo e fácil de controlar. Permite mesmo personalizar a assistência que pretendemos, a cada momento, apenas com os botões junto ao punho esquerdo. Anteriormente era necessário utilizar a App Mission Control.

Também foi eliminado o controlador no tubo superior, que muitas vezes nos obrigava a tirar os olhos da estrada, para escolhermos o nível de apoio ou para vermos quantas barras de energia ainda estavam indicadas.

Todo o passeio foi feito na zona central de Madrid, com início na Gran Via, passando pelo Palácio Real, utilizando as vis partilhadas da cidade, mas também zonas pedonais e cicláveis, algumas espetaculares, como a ponte monumental da Garganzuela, sobre o rio Manzanares e o Matadero, antigo matadouro convertido em centro de artes.

A volta terminou no Jardim del Retiro, após cerca de 13 quilómetros pelas movimentadas artérias madrilenas. No final, a Vado revelava ter 82% de bateria e um alcance estimado de 110 km…

Vias partilhadas não são ciclovias

O dia sem carros em Madrid foi uma experiência mista. É certo que dava a ideia de existir trânsito reduzido, mas continuava na mesma haver uma quantidade assinalável de automóveis particulares, a juntar aos táxis, autocarros, ambulâncias e veículos comerciais.

Madrid deve ter muito poucas ciclovias, porque não passámos por uma. Havia, sim, vias partilhadas, normalmente do lado esquerdo, mas também apareciam do lado direito. Muitas vezes, esta via estava obstruída e era necessário conviver com todos os outros veículos, nas restantes faixas.

Foi, por isso, um bom teste às ebikes Specialized, sobretudo as “full power” que, com a assistência poderosa e imediata, permitem um arranque rápido e seguro. Quando navegamos o trânsito urbano em conjunto com outros veículos, a possibilidade de rapidamente atingir uma velocidade adequada ao ritmo do trânsito é um fator de confiança e segurança.

Neste aspeto, a Vado e a Como têm desempenhos excelentes. E as versões que testei eram mesmo as 3.0, que correspondem à entrada de gama. Têm a bateria de menor capacidade e o seu motor, de 250 W de potência nominal têm um binário de 50 Nm. As versões 4.0 dispõe de 70 Nm e as 5.0, de 90 Nm. A verdade é que as 3.0 se mostraram perfeitamente à altura.

A Turbo Vado e a Turbo Como têm um rack traseiro para bagagem que suporta até 27 kg. Mas estão disponíveis diversos acessórios que podem, através do sistema MIK, ser acoplados à bicicleta. Malas, cestos e cadeiras de criança são compatíveis com estas eBikes urbanas.

Turbo Como, a suave fúria do eletrão

Depois de alguns quilómetros com a Vado Step Through, foi a vez de passar para a Como 2022. A Como é mais confortável das eBikes Specialized, e por uma margem significativa. O seu quadro é o de mais fácil acesso e o posicionamento do guiador e do selim concorrem para uma posição de costas direitas. Também, pelo posicionamento da roda pedaleira, proporcionam sempre acesso fácil dos pés ao chão, com vantagens para o conforto e a confiança do ciclista urbano.

Mesmo para quem está habituado a geometrias mais exigentes, viradas para a performance na estrada ou em todo o terreno, não há como negar o encanto plug-n-play da Como. Recordo a viagem de mais de 70 km que fiz com a sua antecessora, há alguns anos e que pode ler aqui.

Esta nova geração é ainda melhor, mais suave e eficiente. A unidade que ensaiei tinha o sistema de transmissão de variação contínua, com vantagens na manutenção. Rodamos o punho direito, para multiplicar ou desmultiplicar a relação final. Funciona muito bem e está de acordo com todo o espírito “sem stress” desta bicicleta.

Os preços das novas Specialized Turbo e Turbo Como começam nos €3300, para as versões 3.0, precisamente as que utilizei em Madrid.

Mode, o novo capacete urbano

Durante o evento foi também apresentado o novo capacete para utilização nas deslocações da cidade. O seu uso não é obrigatório, nem em Espanha nem em Portugal. Mas é um acessório de segurança que, sobretudo quando partilhamos espaço direto com outros veículos, pode ser um fator de proteção adicional do ciclista.

A inovação do Mode surge no seu formato, que parece indicar que não tem ventilação, já que não há abertura no topo. No entanto, existem umas grelhas de ventilação à frente e atrás. Deste modo, existe circulação do ar no interior do capacete, mas a chuva não entra.

Muito bem pensado e executado, já que este capacete é também bastante leve. É fácil até esquecermos-nos de que o temos posto.

O Mode está disponível em três cores mate (preto e dois brancos), tem o sistema MIPS e pré instalação do sistema de aviso ANGI.

O seu preço é de €110 e pode ser adquirido através da loja online da Specialized Portugal.

Artigo anteriorMovimento alerta para desperdício alimentar
Próximo artigoMobilidade em Lisboa e Porto: o que Carlos Moedas e Rui Moreira vão fazer até 2025?

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of