A instituição financeira ABANCA organizou o “II Encontro de Finanças Sustentáveis: uma perspetiva ibérica”. O evento decorreu nas Caves Calém, no Porto, reunindo especialistas em sustentabilidade e porta-vozes de reguladores que discutiram temas como o pacote regulatório da União Europeia sobre Finanças Sustentáveis e a sustentabilidade nas instituições financeiras.

“Este evento é reflexo da importância que o tema da sustentabilidade tem na estratégia do ABANCA que quer fomentar a criação de um modelo económico mais sustentável e ter impacto na transformação na sociedade”, refere a instituição bancária.

Pedro Pimenta, Country Head do ABANCA em Portugal, abriu o evento e partilhou que foi escolhido o tema “da sustentabilidade para este evento porque é atualmente uma das questões-chave no debate público, a nível global. É talvez a questão mais importante com que podemos lidar, porque se trata do futuro do planeta, e, portanto, do nosso futuro”.

Tiago Pitta e Cunha, CEO da Fundação Oceano Azul, também marcou presença, abordando o tema da economia azul em Portugal e da sua evolução nos últimos anos.

No debate sobre Sustentabilidade e Emitentes participaram nomes como Montserrat Martínez Parera (Vice-Presidente da CNMV), Manuel Monteiro (Diretor Geral da CMVM) e Ana Barros (Administradora não-executiva do ABANCA).

Desafios para ser sustentável

Ana Barros defendeu que “os desafios de sustentabilidade que temos são enormes e urgentes e é preciso mobilizar todos os meios de financiamento à disposição para um mundo mais sustentável”. E, neste âmbito, frisou que “os mercados financeiros têm um potencial enorme para financiar esta transição para um mundo mais sustentável”.

Pedro Ferreira Malaquías, sócio da Uría Menéndez Portugal, fez um ponto de situação sobre o pacote regulatório da União Europeia sobre Finanças Sustentáveis.

O último painel reuniu mais peritos em finanças: Catarina Cardoso, Diretora-Geral da Associação Portuguesa de Bancos, moderou o debate sobre Sustentabilidade e Instituições Financeiras, o qual contou com a participação de Margarita Delgado, Vice-Governadora do Banco de Espanha, Ana Cristina Leal, Diretora do Departamento de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal e Francisco Botas, CEO do ABANCA.

Importância das Finanças Sustentáveis

O CEO do ABANCA, Francisco Botas, analisou o processo de transformação que o setor financeiro está a viver e como o ABANCA tem sido capaz de enfrentar estes desafios “colocando o cliente no centro das decisões, apostando na digitalização e inovação e integrando a sustentabilidade em todas as áreas da nossa estratégia corporativa e de negócio, numa evolução natural da nossa conceção responsável da atividade bancária”.

O CEO da ABANCA defende a “introdução progressiva de linhas de negócio mais verdes e mais sociais”

Francisco Botas salientou também que “um dos objetivos do Plano de Banca Responsável e Sustentável 2021-2024 é acompanhar o tecido empresarial na transição para um novo modelo económico, canalizando o financiamento e o investimento para projetos que possam transformar a economia”.

A este respeito, Francisco Botas defendeu “a introdução progressiva de linhas de negócio mais verdes e mais sociais, sempre com o maior rigor possível, como parte de um processo contínuo de transformação em que é essencial respeitar o tempo de cada cliente”.

Fundos de investimento sustentáveis

Francisco Botas indicou também que o banco ABANCA “está a trabalhar para satisfazer a procura de produtos sustentáveis por parte dos investidores e os requisitos dos organismos reguladores e de supervisão”.

O resultado desta linha de trabalho, explicou este responsável, é o recente lançamento de três fundos de investimento sustentáveis, o impulso ao modelo de gestão de carteiras Alpha 360, a primeira emissão de obrigações verdes do ABANCA e os primeiros produtos de financiamento para novos veículos verdes e pontos de carregamento ligados aos fundos de recuperação Next Generation EU e ao Plano Moves III.

Já este ano, a Afundación, a Obra Social do ABANCA, lançou o programa Plancton para fomentar a conservação e sustentabilidade das atividades socioeconómicas desenvolvidas em quatro das Zonas de Proteção Especial para as aves existentes na Galiza dentro da Rede Natura 2000.

O ABANCA foi a primeira entidade financeira espanhola a avançar com duas iniciativas de âmbito internacional promovidas pelas Nações Unidas, os Princípios de Investimento Responsável e os Princípios para um Oceano Sustentável, e é também um dos signatários fundadores dos Princípios de Banca Responsável das Nações Unidas, tendo aderido ao Compromisso Coletivo para a Ação Climática promovido pela UNEP FI e ao Acordo pelo Clima alcançado pelas principais entidades financeiras espanholas na COP25 de Madrid.

No primeiro trimestre de 2021, o ABANCA conseguiu ainda o certificado da AENOR de “Residuo Cero” para as suas sedes e tornou-se a primeira entidade financeira a colaborar com o projeto Datadis para integrar e otimizar o consumo de energia e fortaleceu a sua oferta de atividades de educação financeira através das quais anualmente chega a cerca de 100.000 pessoas de todas as idades.

Artigo anteriorE-Redes coloca iluminação pública com LED em Guimarães
Próximo artigoUtilização de águas subterrâneas para consumo humano ameaçada por poluição generalizada dos aquíferos

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of