Com os números de infeção por COVID-19 a aumentarem, surgem novas soluções tecnológicas que procuram ajudar no combate à propagação do vírus, através da desinfeção de superfícies e ar.

A empresa portuguesa Arquiled lançou uma nova linha de dispositivos de desinfeção do ar, objetos e superfícies, baseados na ação germicida da radiação LED UV-C, para eliminação de vírus e bactérias, que permite combater o vírus SARS-CoV2.

A tecnologia UV-C LED tem eficácia na desinfeção de ar, objetos e superfícies, o que representa uma camada extra de segurança na desinfeção de espaços profissionais como escritórios, hotéis, restaurantes, escolas ou transportes públicos ou também nas próprias habitações.

Higya Box e Higya Light

Dois dos dispositivos são a Higya BO e Higya Light.

A Higya Box é uma cuba de desinfeção LED UV-C para esterilização de pequenos objetos pessoais, como chaves, máscaras (EPI) ou telemóveis, para utilização em casa ou em ambiente de trabalho.

A aplicação da radiação UV-C temporizada e controlada permite a inativação de vírus e bactérias. “E ao trabalhar apenas quando a porta se fecha não constitui qualquer problema de segurança para as pessoas”, refere a empresa.

Apresenta uma distribuição de luz otimizada para potenciar um maior volume de desinfeção, sem correr o risco das zonas sombra, graças a um revestimento interior espelhado. A salienta que este dispositivo apresenta uma eficácia comprovada “de 99,95% na inativação da carga viral”, com base num estudo realizado pelo Instituto de Medicina Molecular | João Lobo Antunes.

A Higya Light permite a desinfeção de espaços e esterilização do ar sem expor os ocupantes à irradiação ultravioleta.

A montagem deve ser efetuada no teto ou na parede, sempre a uma altura superior a 2,1 metros, sendo a esterilização do ar processada na camada superior das divisões.

“Através da circulação de ar na sala, a desinfeção propaga-se para a totalidade do volume de ar disponível ao longo do tempo de utilização. Graças ao design e às lentes utilizadas, o feixe de luz é direcionado na sua grande maioria na horizontal e o restante para cima em direção ao teto, o que permite que o equipamento a operar com a presença de pessoas nos espaços”, explica a Arquiled.

“Estes dispositivos operam no comprimento UV 265 nm, ideal para a absorção do RNA constituinte dos vírus, ou seja, a energia radiante da luz UV-C danifica os ácidos nucleicos (DNA e RNA), causando mutações e a quebra de ligações nas cadeias dos ácidos nucleicos, que impedem a sua replicação, levando à morte de praticamente todas as bactérias e à inativação de todos os vírus”, referem os especialistas da empresa.

Esta é uma nova aposta da empresa portuguesa que decidiu criar uma resposta para combater esta nova realidade pandémica e, dentro em breve, a empresa promete lançar outros produtos que permitem combater a COVID-19.

Miguel Allen Lima, CEO do Grupo Arquiled, esclarece que “a criação de uma nova classe de produtos significa que a Arquiled consegue adaptar-se a esta nova realidade criando uma resposta eficaz e que irá aumentar as condições sanitárias dos diferentes locais de trabalho. Mais uma vez o nosso conhecimento e experiência em tecnologia LED permitiu criar esta gama de produtos que, o que nos deixa muito satisfeitos”.

Leia também:

LG apresenta robot autónomo com luz UV de desinfeção

Artigo anteriorEngenharia portuguesa instala nova geração de passagens de nível na Suécia
Próximo artigoAcidentes com trotinetes: Bolt passa a garantir seguro para utilizadores

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of