Desafiando as normas, a LG tem até ao dia 19 de dezembro patente em Londres uma exposição de arte, na qual coloca em confronto os mundos reais e digitais.

A campanha de arte inspirada na tecnologia OLED da LG tem lugar na Saatchi Gallery, antes de partir para outras regiões em 2022.

A mostra, “Media Art; Reinterpreted Time”, apresenta obras remasterizadas digitalmente de nomes da arte contemporânea.

O que tem isto de fantástico? O facto do realismo da transposição para o ecrã permitir que a própria imagem da arte representada se confunda com a própria arte.

Utilizando o OLED autoiluminado como uma tela digital, os artistas em questão oferecem uma gama de perspectivas exclusivas sobre o conceito de tempo, por intermédio de vinte modelos de TV LG OLED.

A qualidade da imagem das telas OLED confunde a linha entre o mundo real e o digital, preservando as intenções criativas dos artistas.

Com esta fusão entre digital e realidade, os limites da arte são expandidos, eventualmente de uma forma provocadora para muitos, abrindo-se campo para o público considerar novas perspectivas.

A série de videoinstalações do artista Je Baak, “The Moment & Morpho Luna”, compreende obras de arte baseadas em dados a que ele chama de “arte metabio” que olha para a relação causal biológica entre o espaço do metaverso e o espaço real.

The Moment & Morpho Luna, Je Baak

Três televisões LG OLED – modelos 65R1, 65G1 e 88Z1 – servem como meio através do qual Je Baak comunica os conceitos centrais do seu trabalho, aproveitando as cores vibrantes, elevado contraste e flexibilidade das projeções OLED.

Em “An Incomplete Dictionary of Show Birds”, o famoso fotógrafo britânico Luke Stephenson retrata várias espécies de pássaros, cada uma das quais capturando um momento específico no tempo, enquanto sugere a tensão que existe entre a natureza e a construção na sua arte.

An Incomplete Dictionary of Show Birds, Luke Stephenson

Com imagens brilhantes e nítidas, as quatro TVs OLED evo LG G1 Series de 77 polegadas que apresentam as suas fotos são capazes de retratar com precisão as cores dramáticas e os detalhes que são as marcas do trabalho de Stephenson. O visitante olha para a tela, como quem olha através de uma janela para o mundo real.

Por seu lado, o artista londrino Ruofan Chen apresenta um conjunto de peças visualmente impressionantes que falam sobre a conexão emocional que os humanos formaram com o mundo natural ao longo do tempo. No centro de uma de suas peças exibidas, a TV OLED rolável, modelo de TV que se “desenrola” fica posicionada entre galhos de árvores bem coordenados, justapondo tecnologia e realidade vida, convidando os espectadores a interpretar a conexão entre o inorgânico e o orgânico.

Graças ao envolvimento da Saatchi Gallery, a exposição também apresenta peças representativas de alguns dos mais célebres profissionais da arte moderna, como Damien Hurst, Yayoi Kusama, Banksy e Ufan Lee.

THE S/H/A/R/K, Damien Hirst

Expondo novos detalhes e nuances, as obras selecionadas dos artistas foram remasterizadas digitalmente por uma equipa de especialistas do Royal College of Art de Londres, uma das principais universidades de pós-graduação em arte e design do mundo.

Além de reproduzir com precisão as cores e texturas dos originais, as televisões OLED revelam um novo significado nas obras remasterizadas.

Artigo anteriorSEA Electric vai converter para elétrico 10.000 autocarros escolares
Próximo artigoAgravamento de tarifas para utilizar postos públicos ameaça utilizadores

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of