A Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta (MUBi) e a Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) renovaram o protocolo de colaboração que visa fortalecer as condições de cooperação entre as duas entidades, procurando benefícios para todo o universo do ciclismo e dos utilizadores de bicicleta.

O protocolo agora assinado reconhece a MUBi como entidade coletiva filiada na Federação Portuguesa de Ciclismo. Desta forma, todos os associados da MUBi que manifestem essa intenção passam a ser também filiados na Federação Portuguesa de Ciclismo, beneficiando das mesmas vantagens ao nível dos seguros de acidentes pessoais e de responsabilidade civil.

O estreitamento da cooperação entre a MUBi e a Federação Portuguesa de Ciclismo é uma consequência natural da partilha de princípios e valores. As duas instituições entendem o ciclismo e a utilização da bicicleta, em contexto desportivo, recreativo e utilitário, como um meio fundamental para promover estilos de vida mais saudáveis e sustentáveis, assim como um desenvolvimento económico e social baseado em princípios éticos.

“A mobilidade ativa ciclável é uma das prioridades de ação da Federação Portuguesa de Ciclismo, cuja atividade é cada vez mais global, abrangendo todas as vertentes competitivas, mas também a utilização recreativa e quotidiana da bicicleta. A MUBi é uma organização de referência, especialmente junto dos ciclistas urbanos. Por isso, a parceria entre as duas entidades é, para nós, motivo de grande satisfação. Porque o ciclismo é para todos e a Federação Portuguesa de Ciclismo também, é com imensa satisfação que acolhemos os associados da MUBi que se queiram juntar à Federação de todos os ciclistas sem exceção”, afirma o presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, Delmino Pereira.

“Foi com muito orgulho e satisfação que a MUBi assinou a renovação do protocolo de cooperação com a Federação Portuguesa de Ciclismo, com o intuito de fortalecer condições de cooperação e partilha de informação entre as duas entidades. Este estreitar de relações é uma consequência natural da semelhança entre os programas e iniciativas que ambas as instituições estão a desenvolver. As vertentes utilitária e desportiva do uso da bicicleta são mutuamente estratégicas e têm diversos objetivos em comum”, considera Rui Igreja, presidente da MUBi.

Fotografia de destaque de Catarina Lopes/MUBi

Artigo anteriorMercedes-Benz aposta em veículos com baterias de estado sólido
Próximo artigoRede elétrica aguenta aumento de procura ditada pelo crescimento de veículos elétricos?