Numa conferência de imprensa conjunta com os ministros do Ambiente e das Finanças, João Pedro Matos Fernandes, titular da pasta do ambiente e Ação Climática, fez saber que as verbas que o Fundo Ambiental vai reservar para apoio à compra de veículos de baixas emissões irão quase duplicar este ano.

Segundo João Pedro Matos Fernandes, a dotação irá fixar-se nos 10 milhões de euros – em 2021 a verba foi de 4,5 milhões de euros.

Na prática, o valor do apoio para a aquisição de um veículo elétrico irá passar de €3000 para €4000.

Justifica o governante que este aumento das verbas visa “aumentar a penetração dos veículos elétricos” no país.

O Incentivo pela Introdução no Consumo de Veículos de Baixas Emissões é um compromisso do Fundo Ambiental desde 2017 que “pretende dar continuidade à implementação de medidas de aceleração de energias ambientalmente mais favoráveis”.

Posteriormente, dando execução ao previsto na Estratégia Nacional para a Mobilidade Ativa Ciclável 2021-2030 (Resolução do Conselho de Ministros n.º 131/2019), este incentivo foi estendido à aquisição de bicicletas.

Os incentivos variam conforme se apliquem a pessoas singulares e pessoas coletivas e consoante a tipologia dos veículos de baixas emissões.

Os apoios em 2021 abrangeram veículos ligeiros de passageiros 100% elétricos, veículo ligeiros de mercadorias 100% elétricos, bicicletas de carga (100% elétricas e convencionais), bicicletas, motociclos e ciclomotores elétricos 100% elétricos e bicicletas convencionais.

Os detalhes do programa para 2022 deverão ser revelados nas próximas semanas, enquadrado com o Orçamento de Estado para este ano.

Artigo anteriorCampeonato de Portugal de Novas Energias: 2ª edição terá o dobro das etapas
Próximo artigoISQ ajuda a melhorar a manutenção de turbinas eólicas

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Nuno Almeida Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Nuno Almeida
Visitante
Nuno Almeida

Discordo. Deviam aplicar esse dinheiro em postos de carregamento no interior e no acesso a este. O estado pode ser um OPC.