O iREC (inovar a Reciclagem) é um projeto piloto desenvolvido pela Cascais Ambiente em parceria com a Nova School of Business and Economics (SBE) para levar os consumidores a devolver as embalagens de bebidas vazias e inseri-las no ciclo de produção de novas embalagens ou produtos, oferecendo benefícios a quem abraça este desafio.

Tudo isto é feito através de um sistema de pontos e de gamificação. A cada embalagem entregue em máquinas específicas distribuídas por Cascais, o munícipe recebe pontos (chamados citypoints).

A lógica é sensibilizar os cidadãos para o tema da reciclagem, premiando os seus comportamentos ecológicos (mediante a entrega para reciclagem de embalagens).

Na prática, o que acontece é que as embalagens de bebidas colocadas nas máquinas de devolução são recolhidas e de novo colocadas na produção de novos produtos e/ou novas embalagens de bebidas.

O objetivo é aumentar as taxas de reciclagem, através de um sistema de “gamificação” que tem vindo também já a ser usado noutras autarquias e locais.

Assim, através da intervenção da Tratolixo, responsável pela gestão de resíduos no concelho de Cascais, as embalagens recolhidas são triadas e reencaminhadas para os parceiros que aceitaram o desafio de dar-lhes uma nova vida.

Desde o lançamento do projeto em janeiro 2021, foram encaminhadas mais de 70 toneladas de embalagens para valorização, sendo a maior parte garrafas de plástico PET (62%), seguindo-se as de vidro (27%) e as latas (11%) em terceiro lugar.

Financiado pelos EEA Grants e o Ministério do Ambiente e da Ação Climática, o iREC vai ajudar a introduzir o sistema de depósito de embalagens que se tornará obrigatório em Portugal em 2022.

Ao longo do primeiro ano, o projeto contabilizou mais de 100 mil utilizações e 1,2 milhões de Citypoints ganhos, “demonstrando a excelente adesão dos cidadãos a hábitos quotidianos mais sustentáveis em prol da economia circular e redução da pegada ecológica individual”, refere a Cascais Ambiente.

Para Luís Almeida Capão, Presidente do Conselho de Administração da Cascais Ambiente: “Um ano e um milhão de embalagens são marcos importantes. Com este Sistema de Depósito com Retorno que estamos a experimentar em Cascais testamos soluções que nos permitem avançar para o terreno com maior conhecimento, assim que a legislação for aprovada. Sabemos hoje que é fundamental o envolvimento de todos os stakeholders para que o sistema possa funcionar. Uma boa articulação entre o serviço de recolha e os retalhistas é fundamental. Um bom projeto de comunicação, divulgação e informação dirigido aos munícipes a par da disponibilização das máquinas nos sítios mais adequados fazem com que haja maior adesão.”

Que tipo de embalagens podem ser depositadas?

Apenas são aceites: embalagens de plástico PET, vidro e latas de alumínio de 0,1L a 2L (águas, sumos, refrigerantes, vinho, sangria e cerveja). As embalagens de bebidas devem estar, naturalmente, vazias, devendo ter rótulo e código de barras legível. A máquina aceita as embalagens com ou sem tampa.

Devem estar ainda no seu formato original, ou seja, sem estarem espalmadas ou danificadas.

As embalagens vazias devem ser inseridas, uma de cada vez com a base virada para o interior.

Quando terminar de colocar as embalagens, carregue no ecrã para imprimir o talão com o código de barras.

Quantos pontos valem cada embalagem?

Menos de 0,5l : 1 citypoint
De 0,5 até 2l : 2 citypoints

Os pontos são geridos através da App City Points Cascais, do município de Cascais (Google Play aqui ou App Store aqui). Ao fazer “scan” ao código de barras do talão que recebeu da máquina, esses pontos serão creditados na sua conta de utilizador.

Os pontos podem ser trocados por vales de produtos ou serviços oferecidos pelos parceiros locais que adiram à City Points, além de cartões oferta para usar no comércio local. 

Entre os produtos sustentáveis pelos quais os pontos podem ser trocados estão mochilas PET e velas feitas a partir de óleos alimentares usados. 

Onde se localizam estas máquinas?

As máquinas estão situadas em supermercados parceiros da iniciativa: Auchan, Continente, E.Leclerc, Intermaché, Lidl, Pingo Doce e mercado da Vila.

Ao todo, neste momento, contabilizam-se 13 espaços:

Como é feita a separação das embalagens?

A máquina está equipada com vários sensores (código barras, tamanho, peso, material) e três contentores, um por cada tipo de embalagem de bebida: garrafas de vidro, garrafas de plástico (PET) e latas de alumínio.

Ao inserir a embalagem de bebida, ela é automaticamente analisada e encaminhada para o contentor certo. As garrafas de plástico PET e latas de alumínio serão esmagadas, enquanto as embalagens de vidro serão recolhidas num contentor com queda “suave”.

Periodicamente, as equipas do projeto abrem as máquinas para esvaziá-las, encaminhando as embalagens recolhidas para a Tratolixo, empresa parceira encarregue da gestão dos resíduos.

Por que razão as máquinas só aceitam embalagens de bebidas?

Este sistema, já em vigor em outros países (na Suécia foi implementado em 1984), provou a sua eficácia ao focar-se num grupo mais reduzido de embalagens. A experiência mostrou que permitiu reduzir o lixo no chão e melhorar a qualidade das embalagens recolhidas.

Posso devolver garrafas de azeite e de óleo? E as minhas garrafas de champô vazias?

Apenas são aceites embalagens de bebidas vazias como as garrafas ou latas de sumo, água, refrigerantes e bebidas alcoólicas (vinho, cerveja e sangria).

As demais embalagens de produtos alimentares e de higiene e beleza iriam contaminar a qualidade das embalagens de bebidas. Também não pode colocar embalagens de leite ou iogurte, pois a sua degradação afeta e contamina as restantes embalagens. 

Leia também:

Artigo anteriorFiat tem na calha mini elétrico Topolino
Próximo artigoLunaz converteu para elétrico um Jaguar XK140 de 1945. David Beckman ofereceu-o ao filho.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of