Os processos de regeneração de pinheiro-bravo iniciados em 2016 no Perímetro Florestal das Dunas de Ovar estão a apresentar resultados muito positivos. As duas parcelas que foram objeto de intervenção evidenciam hoje uma abundante regeneração em densidade de pinheiro-bravo, com os exemplares a apresentarem – tal como esperado – uma boa adaptabilidade e bons crescimentos anuais. Esta avaliação permite concluir que a estratégia adotada para esta regeneração se revelou adequada, atingindo com sucesso os objetivos propostos.

O pinheiro-bravo (Pinus pinaster) é a espécie predominante na ocupação do Perímetro Florestal das Dunas de Ovar, apresentando-se globalmente em estado adulto, com uma idade acima de 60 anos, aproximando-se assim do seu termo de explorabilidade. 

Perante este contexto, e com o intuito de rejuvenescer o perímetro florestal numa ótica de floresta auto-regenerável, está prevista a execução gradual de cortes finais, que fomentem uma silvicultura adaptativa, obviando à decrepitude esperada dos povoamentos, com o aumento potencial de problemas fitossanitários e da diminuição de resistência física do arvoredo.

Este processo foi iniciado no ano de 2016, com o corte final de duas parcelas, em Cortegaça (em 6,84 ha) e em Maceda (7,26 há). Cumprindo os prazos de avaliação para o potencial de regeneração natural e definição das técnicas de intervenção – estipulados em cerca de quatro a cinco anos –, é já possível verificar em ambos os casos uma abundante regeneração em densidade.

O calendário e tempo das operações mostrou-se assim adequado. Numa fase inicial, foi importante a manutenção da vegetação espontânea constituída por matos, a qual protege o solo e as jovens plantas dos ventos e influência marítima, das temperaturas excessivas e geadas. Realce ainda para as técnicas usadas visando a devida condução futura dos povoamentos de pinheiro-bravo, com recurso a meios mecânicos do ICNF, I. P., complementados com o Serviço Público de Equipas de Sapadores Florestais.

Complementarmente, vão iniciar-se a curto prazo os trabalhos de intervenção na rede secundária de faixas de gestão de combustível da responsabilidade do ICNF, I. P.

Artigo anteriorPortugal aciona cartão de crédito ambiental cada vez mais cedo: este ano é a 7 de maio
Próximo artigoComo tornar Lisboa mais amiga de peões e bicicletas? As propostas de doze associações

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of