Siemens Energy vai produzir eletrolisadores de hidrogénio em Berlim

0
Siemens Energy vai produzir eletrolisadores de hidrogénio em Berlim

A Siemens Energy vai instalar, em Berlim, Alemanha, uma unidade de produção industrial de módulos de eletrólise de hidrogénio. A produção deverá arrancar em 2023.

Na unidade que a empresa já possui na capital alemã, serão criadas novas linhas de produção para os eletrolisadores em 2.000 metros quadrados num investimento estimado em 30 milhões de euros.

Neste mesmo local, atualmente são fabricadas turbinas a gás, que estão entre as mais potentes e eficientes do mundo. Estas já podem operar com até 50% de hidrogénio e, até 2030, será possível ter toda a operação a funcionar com hidrogénio.

A Siemens Energy prepara-se assim para uma transição de energia segura e bem-sucedida e para um novo mix de energia. Isto também inclui a área de negócios de transmissão de energia: na Siemens Energy Switchgear Plant Berlim, são produzidos produtos inovadores de alta tensão, garantindo que a eletricidade chega aos consumidores de forma confiável.

Christian Bruch, presidente e CEO da Siemens Energy, comenta: “Com a nova unidade de produção de eletrolisadores de hidrogénio, estamos a reforçar a nossa pretensão de desempenhar um papel ativo na formação da transição energética. Para isso, estamos a reunir conhecimento sobre várias tecnologias de energia em Berlim. Para nós, o hidrogénio é uma componente importante do futuro mundo da energia. Para que isso seja economicamente viável, os custos de fabricação dos eletrolisadores devem ser significativamente reduzidos. Acreditamos que com a nossa nova unidade de produção, vamos contribuir para tornar o hidrogénio mais competitivo, mais rapidamente”.

Na unidade de produção em Berlim, as células eletrolisadoras individuais serão fabricadas e combinadas para formar módulos funcionais, ou “pilhas”. Dependendo da capacidade necessária, serão montados em unidades maiores baseadas em processos. Na Alemanha, esta última etapa acontecerá em Mülheim, que está intimamente associada à nova fábrica de Berlim.

A situação mais crítica do projeto está na passagem para uma produção em larga escala de eletrolisadores com preços razoáveis ​​e acessíveis, condições que são pré-requisito para fazer face à crescente procura do hidrogénio no futuro.

Neste desafio, a Siemens Energy conta com a eletrólise PEM (Proton Exchange Membrane), na qual a água é separada em hidrogénio e oxigénio por meio de uma membrana permeável a prótões e eletricidade de fontes renováveis. Os principais aspetos deste processo são seu alto nível de eficiência, alta qualidade do gás do produto e operação confiável sem produtos químicos ou impurezas.

A mais recente e mais poderosa linha de produtos de eletrolisadores PEM da Siemens Energy é otimizada para aplicações de até centenas de megawatts, permitindo que sistemas desse tamanho gerem várias toneladas métricas de hidrogénio verde a cada hora. A eletricidade usada na fabricação do eletrolisador será proveniente inteiramente de fontes renováveis.

Hidrogénio como elemento chave na descarbonização

O hidrogénio verde – ou seja, o hidrogénio gerado a partir de energia renovável – pode ser um elemento-chave na substituição de combustíveis fósseis por renováveis. O hidrogénio pode servir como meio de armazenamento e também como matéria-prima para outras aplicações, incluindo combustíveis sintéticos. Mas as moléculas de hidrogénio também podem ser usadas diretamente como fonte de energia para gerar eletricidade e calor, que antes dependiam do gás.

Em combinação com uma expansão maciça das energias renováveis, esta é uma forma de garantir o sucesso da transição energética. Os caminhos para a produção de hidrogénio verde e os seus derivados são conhecidos; a tarefa agora é dimensionar a produção para volumes industriais.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of