Com a iniciativa “Ambition 2039”, o objetivo da Mercedes-Benz consiste em ter um portfolio de novos veículos ligeiros de passageiros e comerciais ligeiros neutros em CO2 em toda a cadeia de valor e em todo o ciclo de vida até 2039, sendo dada especial atenção à utilização dos recursos.

O objetivo passa por aumentar significativamente a proporção dos materiais reciclados e descobrir novos materiais que estejam em harmonia com a natureza.

O material sustentável UBQ que a marca está a procurar usar é obtido a partir da conversão de resíduos domésticos mistos, que até agora têm sido difíceis de reciclar e que portanto são frequentemente processados termicamente ou acabam por ser depositados em aterros sanitários.

Este material é proveniente de resíduos alimentares, plásticos mistos, papelão e fraldas de bebé. Encontra-se atualmente em teste a sua aplicação nos painéis da secção inferior da carroçaria, nos revestimentos das cavas das rodas e nas coberturas de compartimento do motor.

O material sustentável da UBQ feito de lixo doméstico reciclado e não classificado é agora introduzido nas séries contínuas de Mercedes-Benz EQS e EQE

O fabricante alemão refere que “a consideração varia desde a criação de gado até ao processo de curtição. A Mercedes-Benz já exige o cumprimento de vários critérios de bem-estar animal nas suas especificações. Entre outros fatores, a marca exige aos seus fornecedores que cumpram as ‘5 Liberdades de Bem-Estar Animal’ do Comité de Bem-Estar Animal na criação de gado. Adicionalmente, um requisito importante para a adjudicação de contratos a fornecedores é que a cadeia de fornecimento de pele esteja livre de qualquer forma de desflorestação ilegal e que as áreas de pastagem não contribuam para o perigo ou perda de florestas naturais. Neste contexto, os parceiros devem divulgar todas as suas cadeias de fornecimento desde a região agrícola até ao produto final”.

Para um processo de curtição mais ecológico, “no futuro só poderão ser utilizados agentes de curtição vegetais ou alternativos sustentáveis completamente isentos de crómio – por exemplo, cascas secas de café em grão, castanhas ou extratos de outras matérias-primas renováveis”, adianta a marca.

“Adicionalmente, a pele dos produtos Mercedes-Benz só pode ser processada em curtumes certificados de acordo com o Padrão Ouro do ‘Grupo de Trabalho do Couro’. Isto inclui aspetos ambientais importantes como a redução do consumo de água, de energia e de produtos químicos no processo de curtição”.

Ao mesmo tempo, a Mercedes-Benz está a realizar uma investigação em alternativas à pele genuína. “Não só devem preservar os recursos naturais, como também oferecer a máxima qualidade em todos os parâmetros”, enquadra.

Já foram apresentadas no concept Mercedes-Benz Vision EQXX “alternativas promissoras” à pele genuína, por exemplo, fabricada em matérias-primas renováveis, tais como fibras de catos em pó.

Pele alternativa dos bancos feita a partir de pó de fibra de cato.

“Através do potencial da biotecnologia, os micélios fúngicos estão a transformar-se em alternativas inovadoras à pele no laboratório, apontando para o futuro do equipamento interior sustentável e luxuoso. No desenvolvimento e seleção destes materiais, a máxima quantidade de material reciclado possível ou a utilização de matérias-primas renováveis ao invés de matérias-primas à base de petróleo são as principais prioridades”, afirma a marca.

Materiais reciclados

Atualmente, os materiais reciclados já são utilizados na produção em série em muitos automóveis. No interior, por exemplo, a Mercedes-Benz disponibiliza vários revestimentos em tecido de alta qualidade fabricados totalmente a partir de garrafas de plástico além de réplicas e microfibras de pele.

Bancos feitos a partir de garrafas de plástico PET recicladas.

A alcatifa do piso no EQS é fabricada em fio de nylon que provém de tapetes reciclados e redes de pesca recicladas. Uma tonelada deste fio permite reduzir mais de 6.5 toneladas de CO2 que seriam produzidas no fabrico de um novo material. A Mercedes-Benz também recorre à utilização de fibras naturais para substituir os plásticos convencionais por matérias-primas renováveis.

Reciclagem das redes de pesca permitem ser usados na cobertura do piso dos veículos

No seu departamento de investigação, a empresa está a examinar o lançamento em série de materiais promissores que satisfazem os elevados padrões de sustentabilidade e qualidade. “Isto inclui um plástico de elevado desempenho com uma superfície pintada obtida através de reciclagem química inovadora. Na reciclagem química, os pneus usados e os resíduos plásticos particularmente difíceis de reciclar são decompostos nos seus componentes químicos, de tal forma que podem ser produzidos materiais absolutamente novos a partir destes. A combinação de matérias-primas provenientes da reciclagem química com o biometano de matérias-primas renováveis reduz a utilização de matérias-primas fósseis. O material pode em breve ser utilizado nos manípulos das portas”, declara a marca.

Outro material promissor que poderia ser utilizado nas almofadas dos bancos traseiros é uma espuma parcialmente à base de CO2. No poliol, que é o principal componente desta espuma de poliuretano para automóveis, o CO2 que de outra forma seria libertado para a atmosfera está ligado quimicamente. O dióxido de carbono pode representar até 20 por cento do peso do poliol.

O construtor está ainda a investigar a disponibilidade para a produção em série de outros materiais inovadores que foram apresentados no VISION EQXX, entre os quais se inclui um tecido do tipo seda, produzido biotecnologicamente e completamente livre de produtos animais, bem como tapetes fabricados em fibras de bambu.

Artigo anteriorPatrulhas da Bolt vão arrumar as trotinetes e bicicletas nas cidades
Próximo artigoConheça as fotografias vencedoras do concurso Água e Sustentabilidade

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of