A unidade fabril Carina – Produtos Alimentares, localizada em Chaves, vai alcançar a autonomia de 60% do consumo energético, com a instalação de 220 painéis solares. A intervenção é da responsabilidade da tecnológica de energias renováveis Ecoinside e é financiada pela sueca Bright Sunday.

“Esta ação marca o arranque da estratégia de sustentabilidade da marca Carina e ganha importância acrescida numa altura em que a subida registada dos preços da energia penaliza os custos de produção das fábricas e que tem impacto real na sustentabilidade dos negócios”, salienta Octávio Borges, administrador da Produtos Alimentares Carina. A intervenção orçada em 80 mil euros, não representou, no entanto, custos para a unidade fabril, que poderá usufruir da energia gerada pela Unidade de Produção para Autoconsumo durante o período de 12 anos, momento em que a central fotovoltaica passa para propriedade da fábrica. Da energia produzida pela central fotovoltaica, 75% é para usufruto da fábrica Carina e 25% será vendida à rede.

“O agroalimentar é, em geral, um setor com consumos energéticos bastante significativos e, na sua grande maioria, tem cadeias de frio que implicam consumos energéticos constantes. Apesar de as empresas, muitas vezes, olharem para o custo energético como algo inevitável, não tem de ser assim, a energia pode e deve ser alvo de racionalização através do recurso a fontes renováveis e da promoção da eficiência energética”, explica António Cunha Pereira, CEO da Ecoinside.

Recorde-se que, a nível global, o setor agroalimentar é responsável por 14% das emissões de gases com efeito de estufa. A Ecoinside conta já com cerca de uma dezena de projetos neste setor de atividades, intervenções que, na totalidade, produzem energia suficiente para o consumo de 719 famílias, ou o equivalente a plantar 24.975 árvores.

Artigo anteriorGIRA disponível para utilizadores de bicicleta maiores de 16 anos
Próximo artigoEscola da Amadora ganha 20 mil euros em painéis solares