Como será o futuro dos terminais rodoviários? Como podem os atuais terminais rodoviários ser transformados interfaces multimodais, espaços de conectividade que, além dos habituais serviços de transporte, ofereçam outras utilidades e experiências para melhorar a comodidade e qualidade das viagens e, até, da população não viajante?

Estas são questões que se encontram a ser trabalhadas em Lisboa pela EMEL.

No âmbito do projeto RESTART – Masterplan for Lisbon’s Multimodal Mobility Hubs, a Câmara Municipal de Lisboa e a EMEL pretendem perceber em que é que os terminais rodoviários da cidade de Lisboa se devem transformar para responder melhor às necessidades dos seus utilizadores e da comunidade.

Para isso, está a estudar cenários de requalificação e recapacitação dos cinco principais terminais da cidade de Lisboa: Campo Grande, Colégio Militar, Oriente, Pontinha e Sete Rios.

Neste momento, decorre “a fase de cocriação com a sociedade civil”, que pretende saber a opinião e dar voz às pessoas que utilizam estes espaços ou possam vir a usufruir deles no futuro.

Assim, nas próximas duas semanas, o RESTART estará presente nestes cinco terminais em ações de auscultação aos utilizadores:

Sete Rios – de 29/junho a 2/julho

Colégio Militar – de 4 a 5/julho

Campo Grande – de 6 a 8/julho

Pontinha – de 11 a 12/julho

Oriente – de 13 a 16/julho

As ideias e sugestões também podem ser deixadas em www.emel.pt

“A cidade reconhece a necessidade de oferecer espaços de intermodalidade mais confortáveis, seguros, com acessos mais eficientes e que integram diferentes modos de transporte com vista a uma melhor qualidade de serviço. Um dos elementos diferenciadores do projeto é a sua abordagem centrada nos utilizadores do sistema de mobilidade de Lisboa. O que é que as pessoas que visitam, trabalham, estudam e vivem em Lisboa, gostavam de ver naqueles espaços? Por isso a metodologia do projeto passa por implementar um processo de participação ativa que mobilize diferentes grupos de interesse, incluindo a sociedade civil”, afirma Luís Natal Marques, Presidente do Conselho de Administração da EMEL.

Artigo anterior150 empresas assinam compromisso no âmbito da Conferência dos Oceanos das Nações Unidas
Próximo artigoHelexia promove gestão inteligente dos painéis solares

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of