Catarina Barreiros,, fundadora do Projeto Do Zero

Entre 8 e 10 de julho, a Cidade do Zero vai tomar conta do Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa. O espaço pretende ser um ponto de encontro de pessoas, projetos e marcas que têm em comum um modo de vida mais sustentável e que se destacam por se regerem por princípios de produção ética, gestão de resíduos, utilização de matérias-primas recicladas, entre outros.

De acordo com Catarina Barreiros, criadora de conteúdos, fundadora do Projeto Do Zero e, agora também, da Cidade do Zero, em parceria com o Pavilhão do Conhecimento, “este é um evento pensado para educar, que conta com um mercado mas que não se esgota no consumo. Mais do que um evento, prefiro até dizer que é um centro de partilha, educação e interação”, explica.

Oficinas de reparação

Entre as atividades disponíveis, para além das muitas marcas que terão ativações ao longo dos três dias, encontramos as oficinas de reparação de roupa e calçado, zonas de troca de roupa e pontos de reciclagem de vários tipos de resíduos.
Para as famílias, há atividades no laboratório para pais e filhos e workshops de desperdício zero na cozinha. A programação completa dos workshops e palestras pode ser consultada no site do evento e conta com nomes como Sofia Manuel (@atripeirinha), Tiago Matos (@tiago.greentribe), Ana Monteiro (@laranja.lima.nutricao), Nuno Mota (@alhofrances), a psicóloga Tânia Graça (@taniiagraca) e a ativista Catarina Oliveira (@especierarasobrerodas), entre outros.

Há workshops para aprender a salvar plantas de interior, a criar hortas, a tingir tecidos com plantas, a cozinhar sem desperdiçar nenhum talo de legume, a fazer bolos sem qualquer ingrediente de origem animal e até a fazer sabão ecológico em casa.

Há palestras sobre a importância da educação e empoderamento feminino, sobre acessibilidade, inclusão e ativismo e não faltarão cientistas para desconstruir ciência climática.

A produção da Cidade do Zero tem também como objetivo causar o menor impacto ambiental possível, com a utilização de materiais reutilizados e reciclados (como andaimes de construção e tecido de deadstock de fábricas nacionais), disponibilização de caixotes de reciclagem no recinto, estacionamento de bicicletas, compensação das emissões do evento e até uma parceria com a plataforma de Investimento GoParity, que dará a cada visitante que escolha o bilhete de 3 dias, o valor total do mesmo, para ser investido em projetos de impacto ambiental e/ou social.

A acessibilidade e inclusão também não foram esquecidas no evento, e será oferecido o bilhete ao acompanhante de pessoas com deficiência. Para além disto, qualquer pessoa que precise de tradução de alguma parte do evento para Língua Gestual Portuguesa, poderá enviar um e-mail para mercado@do-zero.pt, de modo a que tenha uma experiência verdadeiramente inclusiva.

Os bilhetes diários para a Cidade do Zero custam 3€ +IVA e os bilhetes de 3 dias custam 5€ + IVA . Estão já estão à venda em www.do-zero.pt/cidade-do-zero. O evento não tem qualquer fim lucrativo, pelo que a totalidade do lucro reverterá para associações nacionais de impacto social e ambiental.

PROGRAMA – O QUE É POSSÍVEL FAZER NA CIDADE DO ZERO

WORKSHOPS 

– Sofia Manuel (A Tripeirinha) – Iniciação às plantas de interior – como deixar de ser um Plantassassino

– Carolina Sapienza-Bianchi (MudaTuga) – Compostagem em casa – Bokashi e Takakura

– André Maciel (HortasLx) – Uma horta em qualquer lado! 

– Tiago Matos (Greentribe) – Compostagem em casa – Vermicompostagem e compostagem termofílica

Nota: no átrio e sem limite de pessoas pelo que não é necessária inscrição. 

WORKSHOPS DE COZINHA E LABORATÓRIO

– Ana Monteiro (Laranja Lima Nutrição) – Cascas para que vos quero (cozinhar com cascas)

– Luísa Mafei – Vegan em Casa, como um chef

– Sara da Silva Diniz – Tingimento Natural

– Sofia Magalhães (Blog da Spice) – Aproveitamento de todas as partes dos alimentos

– Nuno Mota (Alho Francês) – Bolos com 0% de ingredientes de origem animal

– Vitória Paiva (Biovó) – Workshop de Sabão Ecológico, com óleo reutilizado

Nota: mediante marcação através do site, após a compra do bilhete. 

PALESTRAS DE ATIVISMO E ARTIVISMO 

Carolina Salgueiro Pereira – O que faz um ativista?

Tânia Graça – A Importância da Educação e empoderamento feminino 

Catarina Oliveira (Espécie sobre rodas) – Acessibilidade e Inclusão

Marc Parchow – Doodling sobre o clima (powered by IMVF)

Nota: mediante marcação através do site, após a compra do bilhete. 

Para quem quer fazer compras, há um mercado com marcas nacionais, que vão da roupa de desporto ao swimwear, passando pela casa, pelos acessórios de moda, pela cosmética até à roupa de criança. Todas as marcas presentes na Cidade do Zero regem-se por princípios éticos e de sustentabilidade.

MERCADO 
Marcas presentes:

Secondhand Babywonderland – roupa em segunda mão de bebés e crianças
Ivory – marca de roupa que reverte para causas sociais, com foco na saúde mental
Phact – cosmética sólida feita em Portugal 
Reshape – Marca pertencente a uma ONG, de cerâmica feita por pessoas do sistema prisional português
Benedita Formosinho – Marca de roupa made in Portugal, de slow fashion com materiais renováveis e responsáveis
R-Coat – marca de roupa feita com guarda chuvas partidos
Light Years Away – roupa de desporto e swimwear feita exclusivamente de fibras recicladas
Torres Novas – marca de atoalhados de tradição Portuguesa, com matérias primas exclusivamente de origem renovável
The Greastest Candle In The World – Velas feitas com óleo alimentar usado, em packaging reutilizado ou reciclado
Vintage For a Cause – Marca de roupa detida por uma ONG, que utiliza exclusivamente deadstock de fábricas portuguesas e trabalha no empoderamento de mulheres através da sua profissionalização
Eona – Marca de swimwear feita de fibras recicladas
Puranna – Marca de produtos de casa (lençóis, toalhas de mesa, guardanapos) e higiene (discos, bolsas…) feitas com deadstock de fábricas portuguesas
Isto – Marca portuguesa, de produção exclusivamente nacional conhecida pela transparência de preço e produção
Naz – Marca responsável produzida em Portugal com matérias primas renováveis ou recicladas
Maxileaf – Marca de pijamas e homeward nacional com produção própria e justa, com materiais renováveis
Gleba – Padaria nacional conhecida pela preservação do Trigo de Barbela
Wonther – Marca de joalharia ética
GEM – Marca de malas de pele exclusivamente da Indústria alimentar, com certificação pelo LWG.
Lobo Apparel – Marca de slow fashion e produção nacional ética
Ecox – Marca nacional de detergentes feitos com óleo alimentar usado
ReShoe – Oficina de reparação de calçado, especializada em limpeza de sapatilhas/ténis
55+ – Associação que ajuda a empregar pessoas desempregadas com mais de 55 anos. Vai participar com a presença de costureiras, que estarão durante os dias do mercado a fazer pequenos arranjos de peças de roupa
KC The Brand – marca nacional de slow fashion que utiliza exclusivamente tecidos com mínimo impacte ambiental
BYOU – marca nacional de slow fashion para mulher e crianças
Luna Home Decor – marca nacional de utensílios de madeira, feito exclusivamente com reaproveitamento de madeiras
FLOW – marca nacional de roupa interior menstrual reutilizável
SoSo Store – marca nacional de brinquedos de madeira inspirados em provérbios portugueses
OIA Plast – marca nacional que produz acessórios para a casa feitos exclusivamente de plástico reciclado
Bzugo – marca nacional de acessórios de decoração e mobiliário feitos à mão com madeira local reaproveitada

Artigo anteriorMercedes-Benz revê estratégia de produção para novos modelos elétricos
Próximo artigoMetro em Coimbra: operação urbana prevista para arrancar em 2024

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of