A Galp adquiriu os 24,99% das ações que ainda não detinha na Titan 2020 S.A. (Titan), a joint-venture criada com o Grupo ACS em setembro de 2020.

A participação foi adquirida por um valor total de 140 milhões de euros à Cobra, que tinha tomado a posição anteriormente detida pela ACS.

A carteira de projetos da Titan inclui 1,15 GW de centrais solares fotovoltaicas (PV) já em funcionamento e vários projetos em diferentes fases de desenvolvimento, esperando-se cerca de 1,6 GW adicionais em operação até 2024. Todos os projetos são em localizados em Espanha.

Nas palavras de Georgios Papadimitriou, COO de Renewables & New Businesses da Galp, “ao assegurar a plena propriedade da Titan, que detém uma parte significativa da carteira de renováveis da Galp na Ibéria, ganhamos mais controlo e opções relacionadas com o seu desenvolvimento, gerando novas oportunidades de criação de valor”.

A ambição de Galp para a produção de energia renovável é ter mais de 4 GW de capacidade operacional até 2025 e 12 GW até 2030.

Em setembro do ano passado, a Galp e o grupo espanhol ACS concluíram a transação que resultou na constituição de uma joint venture com vista ao desenvolvimento de uma carteira de projetos de energia fotovoltaica em Espanha, com uma capacidade de geração de eletricidade de 2,9 GW.

Mediante esse negócio, então realizado, a Galp adquiriu 75,01% da joint venture, mantendo a ACS uma participação de 24,99%, tendo-se estabelecido uma estrutura governamental de controlo partilhado.

Agora, a empresa portuguesa avançou para a compra da totalidade da Titan.

Artigo anteriorProtótipo de A110 elétrico confirma futuro elétrico da Alpine
Próximo artigoProjetos de arquitetura sustentáveis distinguidos com Archiprix Portugal

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of