Na sequência da recente tomada de posição conjunta por parte da associação que representa as empresas de celulose (CELPA) e de uma organização representativa de associações de produtores de eucaliptos, na qual se defende a eucaliptização de áreas de matos como meio de aumentar a resiliência do território aos incêndios florestais, a Acréscimo – Associação de Promoção ao Investimento Florestal e a Associação Zero vêm manifestar o total repúdio “por esta tentativa de criar pressão sobre o Governo para voltar a desregulamentar as arborizações com eucalipto, quando o que verdadeiramente está em causa é a existência de um passivo ambiental que a indústria não tem qualquer intenção de solucionar mas sim de acentuar”.

Acréscimo e Zero salientam que “as áreas de eucaliptal mal gerido e abandonado representam cerca de 2/3 da área total de eucalipto em Portugal, ou seja, 560 mil hectares de um total de ocupação oficial de 845 mil hectares – mas que rondará já, muito provavelmente, cerca de um milhão de hectares, com esta espécie exótica a dominar a paisagem florestal a norte do rio Tejo”, segundo dados do 6º Inventário Florestal Nacional, de 2015.

O que está em causa é um aspeto pecuniário

Mas será que é esse aumento de resiliência do território aos incêndios florestais que está verdadeiramente em causa com a proposta de aligeirar as restrições à instalação de novos eucaliptais? Na verdade, o que está em causa é um aspeto pecuniário, ou seja, é mais barato plantar em áreas de matos do que replantar atuais áreas de eucaliptal abandonado ou mal gerido, sendo que a diferença de custos ronda valores por hectare 50% superiores nas replantações”, denunciam estas duas associações.

Encargos mínimos consideradosPlantação (Euros/hectare) (1)Replantação (Euros/hectare) (2)
1.500,002.250,00
Fonte: Zero/Acréscimo

(1) inclui preparação do terreno, plantas e sua plantação, sacha e amontoa.

(2) inclui destruição e remoção de toiças, preparação do terreno, plantas e sua plantação, sacha e amontoa.

Refere a Acréscimo e a Zero que “não é possível arborizar com eucaliptos (ação de instalar árvores de espécies florestais, por sementeira ou plantação em terrenos que não tenham sido ocupados por floresta nos últimos 10 anos), mas é possível rearborizar (ação de reinstalar árvores de espécies florestais, por sementeira ou plantação, em terrenos que já tenham sido ocupados por floresta, nos últimos 10 anos), prevendo-se que, no caso de arborização exista uma compensação com a recuperação de áreas onde o eucalipto tem menor produtividade. O problema é que a indústria parece não querer internalizar os custos económicos e ambientais, situação que se comprova com o facto de existiram disponíveis 45 áreas de compensação, representando estas apenas 4 167 hectares, o que cria uma pressão indesejável sobre as entidades públicas para a atribuição de um significativo volume de fundos públicos para reabilitar o enorme passivo existente”.

Para estas associações, “a narrativa está completamente enviesada, uma vez que na análise de tendência do envolvimento das áreas de matos e das áreas de eucaliptal na área total ardida, conforme os registos de 1996 a 2021, a presença das áreas de matos tem vindo a decrescer e o envolvimento das áreas de eucaliptal na área ardida total apresenta uma tendência crescente”.

Assim, a eucaliptização das áreas de matos, aliada à manutenção das atuais áreas de eucalipto mal geridas ou abandonadas, “não só não aumentará a resiliência dos territórios aos incêndios florestais, como agravará o passivo ambiental e os impactes associados às alterações climáticas”.

Por estes motivos, a Acréscimo e a Zero “repudiam a pressão exercida pela associação das celuloses sobre a ação governativa, baseada apenas em interesses financeiros insustentáveis, que colocam em causa a economia, o bem-estar das populações, rurais e urbanas, e o património ambiental do país”.

A Acréscimo e a Zero recusam qualquer tentativa que promova a expansão da área de plantações de eucaliptos em Portugal, “sendo importante relembrar que o país já possui a maior área relativa com estas plantações a nível mundial, sendo detentor da maior área absoluta a nível europeu e a quinta a nível global, mas apresenta a produtividade média unitária mais deplorável e a maior área relativa de risco de incêndio e de propagação de pragas e de doenças”.

A Acréscimo e a Zero exigem ao Governo que “assuma os compromissos de redução de área destas plantações em Portugal, bem como da meta, estabelecida na Estratégia Nacional para as Florestas, para atingir uma produtividade média unitária não inferior a 10 metros cúbicos por hectare e ano. Ambas estão associadas a ações de replantação, mas, sobretudo, de reconversão de grande parte de eucaliptal abandonado para outras ocupações dos solos, nomeadamente para ações de restauro dos ecossistemas, na aposta em sistemas agroflorestais e em espécies arbóreas autóctones de maior valor ecológico e económico”.

Artigo anteriorLojas Continente vão reciclar cadernos escolares e plantar árvores
Próximo artigoRoadster elétrico da Polestar é para produzir, anuncia marca

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of