O Conselho Europeu da Energia chegou ao acordo de abordagem geral sobre alterações à Diretiva de Eficiência Energética e à Diretiva de Renováveis, incluindo o aumento da ambição da Europa, com novos objetivos mais exigentes para 2030 em ambos os textos legais, a fim de se avançar mais rapidamente na transição energética.

40% de energia proveniente de fontes renováveis até 2030

O Conselho acordou em fixar uma meta vinculativa a nível da UE de 40% de energia proveniente de fontes renováveis no total energético até 2030. A nível da UE, a meta atual é de, pelo menos, 32%. Os Estados-Membros terão de aumentar os seus contributos nacionais estabelecidos nos seus planos nacionais integrados em matéria de energia e clima (PNEC), que devem ser atualizados em 2023 e 2024, a fim de alcançarem coletivamente a nova meta.

A produção e o consumo de energia representam atualmente 75% das emissões da UE, e a fixação destas metas dará um importante contributo para alcançar o objetivo global da UE de reduzir as emissões líquidas de gases com efeito de estufa em pelo menos 55% até 2030, em comparação com os níveis de 1990. Além disso, o Conselho visa também reduzir o consumo de energia a nível da UE em 36% para o consumo final de energia e 39% para o consumo de energia primária até 2030.

A Eaton, empresa de gestão inteligente de energia, salienta a importância de estabelecer estes novos objetivos e destaca alguns deles, tais como o objetivo vinculativo de 40% de energia proveniente de fontes renováveis a nível da UE no cabaz energético global até 2030, o que representa um aumento de oito pontos percentuais em relação ao objetivo atual de pelo menos 32%.

Ricardo Ambrona, responsável pelo segmento de Data Center da Eaton Iberia, refere que “a emergência das energias renováveis e, portanto, o cumprimento destas novas metas estabelecidas pela UE, permite-nos aproveitar mais do que nunca a capacidade que os centros de dados têm tido durante algum tempo, especificamente a de armazenar e gerir grandes quantidades de energias renováveis e ter um controlo total sobre elas”.

O Conselho Europeu da Energia também acordou num aumento das metas de energias renováveis para aquecimento e arrefecimento. Especificamente, fixaram um aumento vinculativo de 0,8% por ano a nível nacional até 2026 e de 1,1% de 2026 a 2030.

“Na Eaton temos uma abordagem própria para abordar a transição energética e ajudar a atingir os ambiciosos objetivos da UE. O ‘Building as a Grid’, que se baseia na produção e armazenamento de energia controlada centralmente, reduzindo assim os custos e a dependência energética dentro dos limites do seu edifício ou instalação”, diz José Antonio Afonso, responsável do segmento Commercial Buildings da Eaton Iberia.

“Com esta abordagem estamos a caminhar para a descarbonização de uma forma significativa, consumindo menos energia da rede e utilizando mais energia de carbono zero de geração no local”, diz a Eaton.

A indústria tem sido também um setor onde a UE tem colocado o seu foco. Especificamente, foi estabelecido um objetivo indicativo de um aumento médio anual de 1,1% na utilização de energias renováveis para a indústria. Além disso, o Conselho propôs que 35% do hidrogénio utilizado na indústria deve ser proveniente de combustíveis renováveis de origem não biológica até 2030 e 50% até 2035.

“A preocupação com as alterações climáticas tem permeado todos os níveis da sociedade e a indústria deve tomar medidas para a combater. Os objetivos estabelecidos pela UE surgem num momento-chave para o setor e são mais necessários do que nunca. Nesta linha entram em jogo várias soluções que podem ajudar a impulsionar as energias renováveis na indústria, como a geração de energia no local que oferece benefícios significativos a longo prazo ou encurtar fisicamente as cadeias de abastecimento, o que significaria uma redução nas emissões de transporte, bem como a otimização da atribuição de recursos para abastecer com maior agilidade e eficiência”, acrescenta Román Cazorla, responsável do segmento de MOEM da Eaton Iberia.

Artigo anteriorMercedes revela interior do novo EQE SUV
Próximo artigoXiaomi revela estado de desenvolvimento de tecnologia de condução autónoma

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of