roca gallery

O Rocagallery.com, plataforma on-line da Roca dedicada à investigação e ao debate na área da arquitetura, do design e da sustentabilidade, apresenta um conjunto de artigos relativos ao tema: “Perspetivas em Mobilidade e Espaço Público”. Os artigos, escritos por profissionais e académicos do setor, exploram as abordagens sustentáveis ao planeamento urbano que colocam as comunidades e os cidadãos em primeiro lugar. O Roca Gallery já publicou os primeiros cinco artigos sobre este tema, sendo que os restantes poderão ser consultados em breve na plataforma.

A rua moderna foi concebida para facilitar o fluxo de veículos privados, alimentados a combustíveis fósseis. A diminuição do papel destes veículos apresenta novas oportunidades, mas também levanta questões importantes: “como queremos que sejam as nossas cidades?”, “Como deveriam funcionar?”, “A quem deveriam servir?” Para dar resposta a estas questões, o Roca Gallery convidou nove profissionais e académicos líderes no setor para escreverem sobre o tema “Perspetivas sobre Mobilidade e Espaço Público”. Embora cada autor explore um conceito único, os artigos apresentam um ponto em comum que diz respeito à insistência na importância de quebrar os modelos urbanísticos do passado que já se provaram ser tão destrutivos, tanto a nível social como ambiental. Estes autores apresentam caminhos alternativos para idealizar os transportes, o espaço público e o planeamento urbanístico, mencionando experiências inspiradoras e estudos de caso fascinantes.

Em “Landscape, Nature and Mobility” (Paisagem, natureza e mobilidade), Carlos Ferrater, arquiteto galardoado e cofundador do Office of Architecture in Barcelona (OAB), explica como a configuração do jardim botânico de Barcelona transformou a área de Montjuïc, nos anos 80 do século XX, e as ideias para criar uma passagem entre esta área e o porto no futuro. Em “Cities Transforming” (Transformar cidades), Lance Jay Brown, presidente do Consortium for Sustainable Urbanization, fala sobre a evolução das nossas conceções de espaço público, e insiste em que uma transição para veículos elétricos, por mais positiva que seja, não elimina a necessidade de devolver as ruas aos pedestres. Em “BUS:STOP Krumbach Revisited” (BUS:STOP Krumbach revisitada), a curadora e autora Katharina Ritter conta a história de uma pequena localidade austríaca que, desafiando a noção demasiado comum de que as áreas de baixa densidade merecem baixo investimento, convidou arquitetos de todo o mundo para redesenharem as paragens de autocarro locais, com resultados muito positivos. “The One-Minute City” (A cidade de um minuto), o artigo mais recentemente publicado, da autoria do designer e urbanista Dan Hill, defende o planeamento urbano, não no sentido descendente, mas no sentido ascendente, a partir da rua, mencionando estudos de caso na Suécia e noutros locais.

Durante o mês de agosto, serão publicados os restantes artigos da autoria de diferentes especialistas na área sobre o tema da mobilidade e do espaço público. Em “Fleeting Moments in Time” (Momentos passageiros), Roberto Converti, vice-presidente da Association for the Collaboration between Ports and Cities (RETE), explora as funções das zonas costeiras e dos portos, tanto nos respetivos contextos locais como internacionais. O arquiteto e professor na Universidade de Calgary Francisco Alaniz Uribe apresenta um caso de estudo sobre mobilidade e espaço público em “Zurich’s Public [Realm] Mobility” (Mobilidade (da esfera) pública de Zurique). Em “Drawing Outside the Lines” (Desenhar fora das linhas), Angus Bruce, responsável de arquitetura paisagista na HASSEL, em Londres, defende a criação de novos espaços verdes em áreas densamente povoadas e reflete sobre de que forma o plano-diretor dos jardins da Catedral podem ligar esta nova e dinâmica área com a cidade de Belfast. Anna Zivarts, diretora de programa da iniciativa de mobilidade em caso de incapacidade, em Seattle, defende sistemas de mobilidade mais inclusivos em “Nondrivers: America Excludes Us” (Não-condutores: a América exclui-nos). Por último, em “The Right to a Playful City” (O direito a uma cidade lúdica), IainBorden, professor e vice-reitor de educação em The Bartlett, usa a prática de skate como um ponto de partida para apresentar ideias sobre como reconfigurar espaços públicos onde o bem-estar, a liberdade de expressão e a participação da comunidade são uma prioridade.

A missão do Roca Gallery é promover o diálogo, criar relações e inspirar práticas positivas do setor. A série “Diferentes perspetivas em mobilidade e espaço público” faz parte de um projeto em curso no qual o painel de especialistas do Roca Gallery propõe um novo tema todos os meses explora a ideia com alguns dos mais conceituados pensadores em arquitetura e design. Todos os artigos estão disponíveis em inglês e espanhol em http://www.rocagallery.com/.

Artigo anteriorMais de 40 milhões de euros financiados pelo POR Lisboa 2020 foram aplicados em projetos de mobilidade urbana
Próximo artigoRegras europeias ameaçam florestas. ONG querem travar legislação

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of