A portuguesa Carmo Wood, empresa do segmento de madeiras tratadas, acaba de conquistar o reconhecimento de idoneidade para a prática de atividades de Investigação e Desenvolvimento (I&D), atribuída pela Agência Nacional de Inovação (ANI), que poderá potenciar novas soluções de produção, particularmente no que respeita à sustentabilidade.

Produção sustentável de matérias-primas e materiais derivados da floresta, processos produtivos mais verdes e eficientes, química verde ou desenvolvimento e eficiência de sistemas de produção constituem as principais áreas de atuação e domínio técnico da Investigação e Desenvolvimento da Carmo Wood, agora certificadas pela ANI.

“Enquanto líderes de mercado e com a inovação no centro de tudo o que fazemos, sentimos a vontade e a responsabilidade de ir mais além e de continuar, incessantemente, em busca de novas soluções que tornem os nossos processos mais eficientes, mais sustentáveis e que, no fim do dia, aportem inovação a todo o setor”, refere Jorge Milne e Carmo, presidente Carmo Wood.  

O Selo de Reconhecimento de Idoneidade na Prática de Atividades de I&D é atribuído a empresas que comprovem a sua capacidade e conhecimento nos domínios requeridos e é, em si, um fator de diferenciação e valorização das entidades no mercado, comprovando a sua competência para a realização de atividades de I&D. A detenção deste selo permite ainda estabelecer novas parcerias em projetos de I&D (nomeadamente com empresas e entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional) e a captação de financiamento por parte de fundos.

Recorde-se que a empresa emprega cerca de 400 colaboradores e dispõe de quatro unidades fabris, todas localizadas em território nacional – Pegões, Almeirim e Oliveira de Frades – que produzem para os mais de 40 países onde opera. O Grupo estima faturar este ano cerca de 100 milhões de euros, o que representa um crescimento do total da atividade de cerca de 25%, face ao período homólogo.

Artigo anteriorReciclagem e sustentabilidade em relevo na 8ª Edição do Apps for Good
Próximo artigoRacionalidade no consumo de energia pode permitir poupar 37,5 milhões de toneladas de CO2 na Europa em 2030

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of