Tendo em conta o cenário de seca que vivemos em território nacional e por toda a Europa, é fundamental reconhecer o papel da tecnologia na linha de frente ao combate ao desperdício de água.

Nesse sentido, a empresa portuguesa ARQUILED, que desenvolve soluções para smart cities, em parceria com a brasileira Stattus4, apostada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para gestão de recursos naturais, como água e gás, apresentam um sistema de monitorização de perdas baseado em Inteligência Artificial.

Através de dispositivos colocados no terreno, como sensores de indução ou pulsados e de sensores de pressão, é possível recolher dados, identificar de forma sistemática e atuar no imediato.

A criação deste sistema tem por objetivo operacionalizar projetos de eficiência na rede de distribuição de água, promovendo a sustentabilidade dos recursos hídricos e minorando perdas comerciais.

Relatório indica que municípios desperdiçam uma piscina olímpica por dia

De acordo com o relatório de 2021 da Entidade Reguladora do Setor das Águas e Resíduos (ERSAR), a rede nacional de abastecimento de água perde 174 milhões de metros cúbicos. O equivalente a desperdiçar 252 piscinas olímpicas diariamente. É quase como se cada município português enchesse uma piscina olímpica todos os dias, para depois deitar fora essa água.

Para combater o desperdício de água e gerar poupança, a ARQUILED com a Stattus4 propõem-se a comercializar este sistema, acrescentando valor com as soluções tecnológicas, apostando na sustentabilidade, na poupança e racionalização de recursos.

O objetivo é começar por alguns projetos-piloto, para que os municípios se apercebam das vantagens e possam implementar o sistema na totalidade.

A ARQUILED que se tem destacado no desenvolvimento de soluções de iluminação pública, que promovem a eficiência energética, contribuindo para que os municípios diminuam o consumo de energia e proporcionem um serviço de qualidade às populações, aposta agora também na eficiência hídrica.

Para “a ARQUILED faz sentido adicionar mais este vetor de atuação, na vertente da gestão de recursos críticos, primeiro na iluminação e agora nas águas”, afirma Miguel Allen Lima, CEO da ARQUILED: “Começámos por poupar na luz e agora poupamos na água, sempre na ótica da gestão das cidades. Somos um catalisador da sustentabilidade e gestão de recursos críticos, para os municípios.”

Da esquerda para a direita: Stattus4 António Carlos – CTO e sócio fundador/ Marília Lara – CEO e sócia fundadora Arquiled – Miguel Allen Lima – CEO

A Stattus4, que tem apostado no desenvolvimento de soluções para identificação de perdas de água na rede de distribuição, diferencia-se pela aplicação de tecnologia avançada.

Segundo Marília Lara, CEO e fundadora da start-up, “a diferenciação da Stattus4 está na aplicação da inteligência artificial e na multidisciplinaridade dos fundadores e o estabelecimento desta parceria, com a ARQUILED, representa um enorme impulso e crescimento, porque passamos a estar representados na Europa”.

Artigo anteriorInflação impulsiona sustentabilidade na casa dos portugueses
Próximo artigoGulbenkian reflete sobre dimensões imateriais e espirituais da ecologia

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of