Eva Cairns
Eva Cairns
Diretora de Insights de Sustentabilidade e Estratégia Climática na empresa de gestora de ativos abrdn

A COP27 está a receber muito menos atenção do que a COP26. Mas quando olhamos para os impactos físicos das mudanças climáticas que assolam o planeta hoje, como as inundações no Paquistão e secas severas, certamente a ação climática deveria estar nessa lista de questões urgentes.

Compromissos sem implementação põem “net zero 2050” em risco

0
0

A COP27, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, realiza-se até 18 de novembro de 2022 em Sharm El Sheikh, Egito, e deve ser a “COP de implementação”, sendo, sem dúvida, ainda mais importante do que a COP26, onde muitas promessas e promessas foram feitas – compromissos net zero abrangem agora mais de 90% do PIB global e 83% das emissões.

Mas os compromissos têm pouco significado se não forem seguidos por ações de implementação confiáveis. A ação climática parece ter sido colocada em segundo plano, dada a necessidade de abordar outras questões urgentes, como a crise do custo de vida, a inflação e as crises económicas. 

Portanto, a COP27 está a receber muito menos atenção do que a COP26. Mas quando olhamos para os impactos físicos das mudanças climáticas que assolam o planeta hoje, como as inundações no Paquistão e secas severas, certamente a ação climática deveria estar nessa lista de questões urgentes.

Além disso, a COP27 deveria ser outra COP crítica porque os países foram solicitados a atualizar as suas Contribuições Nacionalmente Determinadas (Nationally Determined Contributions – NDC) para que adicionem medidas capazes de manter o aquecimento em 1,5°C depois de não o terem feito na COP26. 

Esses compromissos atualmente somam 2,4°C de acordo com o Climate Action Tracker e o ‘net zero 2050’ parece cada vez mais improvável. Até agora, vimos muito pouco em termos de atualizações do NDC de alguns dos maiores emissores, com exceção da Austrália e da Índia. 

Os incentivos políticos alinhados com o ‘net zero 2050’ são críticos para permitir que os investidores aloquem capital de acordo com as metas ‘net zero’.

E, finalmente, a justiça climática precisa de ser abordada na COP27, que foi outro fracasso da COP26. As nações desenvolvidas precisam fornecer o financiamento climático necessário e prometido para a mitigação, a adaptação e as perdas e danos climáticos para os países em desenvolvimento mais vulneráveis.

Foto de destaque de Joshua J. Cotten

Artigo anteriorInteligência Artificial da Microsoft usada para melhorar resiliência climática
Próximo artigoShenzhen, a Silicon Valley chinesa

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of