A Câmara Municipal de Lisboa aprovou esta semana a gratuitidade do uso das bicicletas GIRA. A medida consta da Proposta 696/2022 que diz respeito a medidas de combate à inflação destinadas a apoiar as famílias e as empresas da cidade.

De acordo com o vereador da Mobilidade do município de Lisboa, Ângelo Pereira, o plano será posto em prática em duas fases: a primeira, deverá ter início no primeiro trimestre de 2023 e destina-se aos estudantes residentes em Lisboa até aos 23 anos (ou 24 anos de idade no caso dos cursos de Medicina e Arquitetura) e às pessoas com mais de 65 anos, que atualmente beneficiam do passe Navegante gratuito.

Segunda fase

Na segunda fase, “a determinar oportunamente, considerando entre outros fatores, o seu impacto em termos de operacionalidade do sistema, em todas as suas variáveis, deverá prever futuramente que a medida” venha a ser alargada “aos munícipes da cidade de Lisboa, com residência fiscal no município de Lisboa”, entre os 24 e os 64 anos.

Para beneficiar desta medida, será necessário aderir ao Serviço GIRA. A gratuitidade da tarifa de acesso depende da validade do Passe Navegante, que deve estar carregado com um dos títulos intermodais em vigor em Lisboa: Municipal ou Metropolitano.

Esta proposta 696/2022 tem por base a Proposta nº 54/2022, na qual a Câmara Municipal de Lisboa, na reunião de 9 de fevereiro de 2022, deliberou aprovar um conjunto de medidas tendentes à promoção da mobilidade ativa na cidade de Lisboa, entre as quais se incluiu a gratuitidade da rede Gira.

“A promoção de meios de mobilidade suave, como é o caso das bicicletas integradas do Sistema de Bicicletas Públicas Partilhadas, contribui para a descarbonização da mobilidade e para uma maior sustentabilidade ambiental da cidade (melhor qualidade do ar, menor dependência energética e vida mais ativa da população utilizadora deste tipo de veículos), sendo uma alternativa complementar à rede de transportes existente e que permite mitigar eventuais lacunas da rede de transportes públicos”, refere o texto da proposta.

Artigo anteriorElectrão vai gerir plásticos perigosos da reciclagem de elétricos em Portugal
Próximo artigoMiio avança para nova área de negócio: equipamentos para carregamento doméstico de EV

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of