O Banco Europeu de Investimento (BEI) e a Iberdrola assinaram um novo acordo para acelerar a transição energética de Portugal através do desenvolvimento de novas capacidades de energia renovável.

O banco da UE concederá um empréstimo verde de 70 milhões de euros para a construção de uma carteira de projetos com uma capacidade total de cerca de 188 megawatts (MW).

Estas novas instalações, que foram obtidas em leilão durante o ano de 2019, produzirão energia verde equivalente ao consumo médio de mais de 65.000 casas. O conjunto de parques implica um investimento total superior a 150 milhões de euros.

O BEI financiará cinco centrais solares fotovoltaicas e as suas instalações de ligação, com uma capacidade total de aproximadamente 188 MW, localizadas nas regiões do Algarve, Centro, Alentejo e Lisboa.

Estas centrais fotovoltaicas situam-se principalmente em zonas rurais, consideradas regiões de coesão pela União Europeia.

O financiamento será atribuído aos projetos Montechoro I e II (37 MWp), Alcochete I e II (46 MWp), Algeruz II (27 MWp), Conde (14 MWp) e Carregado (64 MWp).

O financiamento incluirá também infraestruturas acessórias, tais como estradas de acesso, subestações e interligações. Estes investimentos não só aumentarão a produção de energia limpa, como também melhorarão a segurança do aprovisionamento.

Os investimentos a realizar ao abrigo deste acordo impulsionarão o crescimento económico e o emprego nestas regiões.

Globalmente, as novas infraestruturas criarão quase 1.000 postos de trabalho durante a fase de construção, para além dos gerados noutros sectores relacionados.

“O acordo hoje assinado confirma o compromisso do Banco em apoiar a Europa no cumprimento dos objetivos climáticos. Temos o prazer de colaborar com a Iberdrola nas suas primeiras centrais solares em Portugal, que também gerarão crescimento económico e emprego nas regiões de coesão. Este projeto é um excelente exemplo da cooperação estratégica entre o BEI – banco climático da Europa – e a Iberdrola – líder mundial em energias renováveis – unida no apoio à recuperação verde da Europa, à transição ecológica e à segurança energética”, refere o presidente do BEI, Ricardo Mourinho Félix.

A Iberdrola tem em Portugal a gigabateria do Tâmega, a maior iniciativa de energia limpa da história do país, com um investimento superior a 1.500 milhões de euros, com três barragens e três centrais (Gouvães, Daivões e Alto Tâmega) e uma capacidade de armazenamento de 40 milhões de kWh, equivalente ao consumo médio diário de energia de 11 milhões de pessoas.

“Esta colaboração com o BEI é um novo impulso para os projetos da Iberdrola no país, numa altura como esta, em que a transição energética é mais necessária do que nunca e é a única forma de reduzir a dependência de combustíveis fósseis”. Além disso, o acordo com o BEI está em linha “com o compromisso da Iberdrola de apoiar a transição energética no país, onde triplicamos a nossa capacidade fotovoltaica em 2023”, aponta José Sainz, diretor financeiro da Iberdrola.

Esta é a segunda vez que o BEI financia os projetos que a Iberdrola desenvolve em Portugal, como aconteceu com o Tâmega, com um empréstimo de 650 milhões de euros.

Artigo anterior127 viagens entre Lisboa e Nova Iorque nas trotinetes Whoosh
Próximo artigoControlauto renova frota com carros elétricos

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of