O centro comercial CascaiShopping, do Grupo Sonae Sierra, recebeu aquela que é a primeira árvore eólica em Portugal e a segunda na Península Ibérica. Está localizada no parque de estacionamento exterior e permitirá ao CascaiShopping melhorar o seu desempenho energético, bem como reduzir a sua pegada de carbono.

Esta inovação, também chamada “árvore do vento” e cuja instalação esteve a cargo da empresa portuguesa RESUL, tem a forma de uma árvore e um sistema modular que possibilita uma capacidade de geração de energia até 5400Wh, através das mini turbinas com formato de folhas.

Como funciona este equipamento eólico?

Equipado com uma espécie de folhas de plástico verde, fixas em ramos metálicos que saem, por sua vez, de um tronco grosso metálico, num desenho semelhante a uma árvore, este equipamento funciona como outros aerogeradores, conseguindo aproveitar menores correntes de ar para gerar energia.

“Recebermos a instalação da primeira árvore eólica em Portugal vem reforçar a enorme vontade do CascaiShopping em estar sempre atento a oportunidades pioneiras e inovadoras que não só melhorem o desempenho do Centro, como a experiência de quem o visita. Sendo a sustentabilidade um pilar presente no trabalho diário do Centro, é para nós um enorme orgulho podermos anunciar esta novidade”, refere Carla Bonito, diretora do CascaiShopping.

As pequenas turbinas em forma de folha do gerador giram com ventos mais reduzidos do que as mais comuns estruturas eólicas, aproveitando um potencial de energia trazido pelo vento que, de outro modo, se desperdiçaria.

Origem da tecnologia

A solução foi originalmente concebida pelo francês Jérôme Michaud-Larivière que criou a Wind Tree, uma árvore artificial que produz eletricidade renovável com leves brisas.

A ideia ocorreu a Jérôme Michaud-Larivière quando, numa praça, reparou que as folhas das árvores abanavam mesmo quando não se sentia qualquer brisa.

A primeira Wind Tree, ou em português “Árvore de Vento”, com 72 folhas artificias de plástico, foi instalada em Pleumeur-Bodou, em França.

O gerador eólico instalado no interior da “folha”

Segundo Jérôme Michaud-Larivière, a “wind tree” consegue produzir energia com ventos de apenas 2 m/s. Uma “árvore” com 72 “folhas” pode gerar cerca de 3,1 kW, uma energia suficiente para alimentar 15 candeeiros de rua de 50 W, 83% do consumo elétrico de uma família francesa (sem aquecimento) ou para um carro elétrico fazer 16 363 km.

A Wind Tree, fabricada pela New World Wind, tem três versões da sua árvore. A que está instalada no CascaisShopping é a de menor potência (5400W), havendo ainda uma de 7200 W e uma terceira variante de 9000W:

Árvore modular 18 A
Potência máxima5400 W
Potência nominal2934 W
Número de aerogeradores de folhas18
Potência por “aerofolha”300 W
Peso1450 kg

A New World Wind também desenvolveu uma pétala fotovoltaica de alto desempenho para adicionar uma segunda fonte de energia à “árvore do vento”. A pétala solar é opcional e pode equipar Árvores modulares de 18A, 24A e 30A. neste caso, o painel solar está posicionado na parte inferior de cada “aerofolha”.

Inovação e outras medidas
Em 2022, no que diz respeito a inovação, o CascaiShopping já tinha instalado paragens de autocarros com bancos aquecidos e passadeiras inteligentes nos parques de estacionamento, tendo sido o primeiro centro comercial em Portugal a fazê-lo em ambas as ocasiões.
Além disso, este Natal, o Centro reforçou a sua posição face à eficiência energética, mantendo as luzes de Natal apagadas até dia 1 de dezembro, e a partir dessa data, ligando-as apenas desde as 18h00.
Entre as medidas que têm vindo a ser implementadas no CascaiShopping e que já permitiram reduzir em 2022 o consumo energético em 28%, face a 2019, destacam-se também a otimização dos horários de funcionamento e set-points das unidades de tratamento de ar; o ajuste nos set-points de água fria da central de frio mediante o período do ano que nos encontramos (verão ou inverno); a substituição da iluminação tradicional por tecnologia LED; e a otimização dos horários de funcionamento da iluminação, especialmente durante o período em que o centro está encerrado, entre outras.
Artigo anteriorToyota converteu clássico dos anos 80 e criou um BEV e um H2
Próximo artigoDescarbonização da mobilidade: ambição vs realidade

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of