A PepsiCo Portugal anunciou um novo projeto com vista à redução de emissões de carbono na sua fábrica de snacks no Carregado.
Consiste num novo biodigestor que começará a ser construído em abril, que transformará os resíduos orgânicos em biogás com um investimento total de 7,5 milhões de euros.

Além de conseguir uma redução de 30% nas emissões de carbono da unidade no Carregado, o biodigestor também contribuirá para reduzir o consumo de gás, permitindo à fábrica utilizar o biogás produzido durante o processo de digestão anaeróbia (processo biológico em que o material, na ausência de oxigénio, através da ação de um grupo de bactérias orgânicas específicas, é decomposto em produtos gasosos ou “biogás”).

Este é um processo utilizado como fonte de energia renovável, onde o biogás é utilizado diretamente como combustível nas várias fases da produção, assim como para a higienização das linhas de produção e aquecimento das águas sanitárias dos balneários e refeitório.

Como irá atuar o biodigestor

O novo biodigestor utilizará as lamas produzidas na estação de tratamento de águas residuais da fábrica e as cascas de batata, assim como outros resíduos alimentares impróprios para consumo. Estes resíduos são pré-tratados e convertidos num composto orgânico limpo que é depois transformado em biogás através de um processo anaeróbico. O biogás para ser um substituto direto do gás natural é previamente pré-tratado numa estação de purificação que converte o biogás em biometano.

Fernando Moraga, Country Manager da PepsiCo em Portugal, salienta que este “projeto pioneiro no Sul da Europa, que é um grande passo no processo de transformação rumo a uma Cadeia de Valor Positiva. Com o novo biodigestor, passaremos a operar mais eficientemente com o planeta através da criação de soluções de energia alternativa.”

O novo biodigestor começará a ser construído num local separado junto à fábrica a partir do segundo trimestre de 2022, ocupando uma área total de 420 m2.

Nelson Sousa, Plant Manager da PepsiCo em Portugal, refere que “o novo biodigestor terá a capacidade de converter mais de 21.900 toneladas de resíduos orgânicos por ano em 4.818.000 Nm3 de biometano por ano, o que equivale a uma redução de 30% nas emissões de carbono durante o processo de produção. Além disso, permitirá que a nossa unidade de negócio continue a ser um case study em termos de nível das boas práticas de sustentabilidade na PepsiCo a nível europeu, e também um exemplo de circularidade e reconversão ao nível local, uma vez que o projeto prevê a utilização de resíduos de origem externa à nossa fábrica”.

Investimento na fábrica do Carregado

Desde 2012, a fábrica do Carregado tem um sistema de produção de biogás que permite uma redução de 50% no consumo de eletricidade na sua ETAR. Implementou também um projeto de reutilização de calor nos fornos utilizados na produção dos Doritos, que permite a recuperação de energia “desperdiçada” da chaminé e a produção de vapor, permitindo uma redução no consumo de gás na fábrica na ordem dos 5%.

Embora a PepsiCo já utilizasse eletricidade de fontes sustentáveis em todas as suas instalações em Portugal, anunciou também uma grande mudança com a assinatura de um acordo de compra de energia (PPA) a partir de 1 de janeiro de 2023. Com esta parceria, a PepsiCo irá melhorar a qualidade e a rastreabilidade desta energia e garantir um fornecimento sustentável e competitivo a longo prazo. Este acordo contribui ainda para o aumento e consolidação das instalações de energias renováveis em Espanha e Portugal.

Redução de emissões

A PepsiCo pretende reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) em mais de 40% até 2030 e alcançar as zero emissões líquidas até 2040, uma década antes do previsto nos Acordos de Paris.

Mais concretamente, a PepsiCo planeia reduzir as emissões de GEE nas suas operações diretas em 75% e nas suas operações indiretas em 40% até 2030. Em conjunto, esta ação deverá contribuir para uma redução de mais de 26 milhões de toneladas de emissões de GEE a nível mundial, o equivalente à remoção de mais de cinco milhões de automóveis da estrada durante um ano.

Artigo anteriorHelexia instala carregadores elétricos em empreendimentos turísticos
Próximo artigoInvestigador da FCT NOVA recebe 150.000 euros para estudar nova geração de baterias inteligentes

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of