Investigadores do Politécnico de Leiria desenvolveram o projeto SmartSign, que consiste na criação de sinais de trânsito inteligentes capazes de alertar os condutores sobre passadeiras, limites de velocidade ou perda de prioridade. O coordenador da iniciativa informou a agência Lusa que os sinais são ativos e enviam informações relevantes.

O projeto SmartSign, intitulado “Desenvolvimento de Sinalização Rodoviária Inteligente”, nasceu a partir do desafio lançado pela Sociedade Nacional de Sinalização Rodoviária Vertical, com sede em Ansião. A investigação foi realizada por docentes dos Departamentos de Engenharia Eletrotécnica, Mecânica e Informática da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Politécnico de Leiria.

O investigador de Engenharia Mecânica, Nuno Martinho, explicou na apresentação do projeto que se trata de sinais ativos, capazes de enviar informações relevantes aos condutores.

Diminuição da sinistralidade

O principal objetivo do projeto é contribuir para a diminuição da sinistralidade, uma vez que cerca de 90% das causas de acidentes estão relacionadas com o fator humano. A ideia é alertar antecipadamente os condutores para as regras de trânsito que devem cumprir.

O SmartSign foi desenvolvido em cooperação e recebeu apoio do programa Portugal 2020. O projeto contou com um investimento de 411.295 euros por parte do Politécnico de Leiria e de 266.715 euros da Sociedade Nacional de Sinalização Rodoviária Vertical, totalizando um orçamento de 678.011 euros.

O coordenador do projeto, Sérgio Faria, docente e investigador do departamento de Engenharia Eletrotécnica da ESTG, explicou que estabeleceram uma parceria com a Sociedade Nacional de Sinalização Rodoviária Vertical (SNSRV), a empresa promotora do projeto. O objetivo foi incorporar um sistema eletrónico nos sinais verticais de estrada para que estes pudessem comunicar com os veículos e fornecer informações sobre a sinalização e sua localização.

Foto: Politécnico de Leiria

Através de programação integrada, os sinais inteligentes podem enviar informações para veículos equipados com sistemas de receção adequados, baseados em tecnologias como ‘Wi-Fi’ ou 5G. Isso permite que os condutores recebam informações de trânsito mesmo em situações em que o sinal não é visível, melhorando os níveis de segurança rodoviária.

O sistema desenvolvido é capaz de fornecer indicações de sinalização mesmo em condições atmosféricas adversas, como nevoeiro, ou quando o sinal está obstruído por edifícios ou ramos de árvores.

O projeto iniciou em janeiro de 2020 e foi concluído em junho de 2023.

O coordenador Sérgio Faria mencionou que os investigadores da Engenharia Mecânica desenvolveram um sinal de velocidade máxima capaz de alternar entre 30, 40 ou 50 km/hora. Esse tipo de sinal pode ser colocado, por exemplo, em zonas escolares, onde a velocidade deve ser reduzida durante os horários de entrada e saída das crianças, e permitir velocidades mais adequadas a percursos urbanos noutros momentos do dia ou aos fins de semana.

O grupo da Engenharia Eletrotécnica concebeu o sistema de comunicação para a transmissão entre a infraestrutura (os sinais) e o veículo que possui um recetor. Já a Engenharia Informática desenvolveu um sistema de descodificação e visualização dos sinais no veículo, além das ferramentas necessárias para a empresa programar os sinais, levando em conta sua função e localização geográfica.

A tecnologia utilizada para a sinalização inteligente é o CV2X, compatível com muitos dos novos veículos e já aplicada em cidades inteligentes para comunicação entre veículos e infraestruturas.

Por fim, os investigadores também consideraram desenvolver uma aplicação para telemóveis, inclusive destinada a cegos, para receberem informações quando se aproximassem de passadeiras. No entanto, essa ideia foi descartada devido à falta de incorporação dessa tecnologia nos telemóveis disponíveis até então.

O sócio fundador da SNSRV, Alfredo Moreira, expressou à Lusa que a sociedade tem procurado implementar novos sistemas fundamentais para a segurança rodoviária desde 1991.

Artigo anteriorPortugal investe 6,3M€ para impulsionar a economia circular no setor dos plásticos
Próximo artigoPrio alia-se a Campos de Férias do Zoomarine com mensagem para o futuro