Cascais recolheu mais de 7 toneladas de cápsulas de café em apenas um ano

Protocolo entre Cascais Ambiente e empresas produtoras de cápsulas da Associação industrial e Comercial de Café (AICC) celebra um ano.

0
538

Conscientes da importância de criar uma solução ambientalmente sustentável para um correto encaminhamento das cápsulas de café em fim de vida e de dar aos seus consumidores a opção de uma recolha de proximidade, os fabricantes de café Delta, JMV, Massimo Zanetti, Nestlé, NewCoffee e UCC, aceitaram o desafio da Cascais Ambiente e tornaram possível a recolha seletiva de cápsulas através de ecocentros fixos e móveis, permitindo ao consumidor ter um papel ativo na reciclagem e na economia circular.

Cascais foi o primeiro concelho do país a ter a recolha seletiva de Cápsulas de Café em contentores na via pública dando assim início à implementação do primeiro sistema universal e abrangente a todos os tipos e marcas de café, com a colocação do 1º ponto de recolha em Cascais, a 25 de novembro de 2022.

Ao longo de um ano, Cascais recolheu já mais de 7 toneladas de Cápsulas de Café na sua rede de ecocentros. O equipamento móvel teve ótimos resultados e, no início de 2022, foi criada a rede com 8 equipamentos móveis e fixos para cobrir todo o Concelho.

De 25 de novembro de 2022 a 25 de novembro de 2023 foram enviados para reciclagem 7220 quilos de cápsulas de café, sendo as Cápsulas de café, desde janeiro de 2023 o fluxo com mais peso na Rede de Ecocentros de Cascais, representando ¼ de todo o peso recolhido.

Estas cápsulas recolhidas são posteriormente reencaminhadas para tratamento dando origem a novos produtos: – a borra de café será transformada em composto orgânico e o plástico e o alumínio em novos produtos do quotidiano, para já de uso não alimentar.

De notar que as entidades envolvidas, AICC e seus produtores e a Cascais Ambiente, têm na sua génese serem pioneiros:

  • as empresas de produtoras de cápsulas entenderam voluntariamente criar um sistema próprio de recolha e tratamento das cápsulas de café usadas, uma vez que não existe ainda legislação nem existiam ainda meios públicos que permitissem a reciclagem deste resíduo;
  • Cascais testou o primeiro ecocentro de rua pela primeira vez em Portugal, em 2021.

Luís Almeida Capão, presidente do Concelho de Administração da Cascais Ambiente, disse: “Em 2022, já estávamos a pensar nas cápsulas de café porque eram percebidas pelos munícipes como de elevado potencial de reciclagem. Encontrávamos muitas no ecoponto amarelo. O encontro com a AICC deu-se na melhor altura, em que estávamos todos – Cascais Ambiente e marcas de café – a desenhar a melhor forma de retomar estes materiais com valor: plástico, alumínio e borra de café. Da junção das vontades, nasceu este projeto de economia circular que tem uma enorme participação dos cascalenses.”

Cláudia Pimentel, secretária-geral da AICC, comentou: “Conscientes da sua responsabilidade social e ambiental, as empresas produtoras de cápsulas de café iniciaram, através da Associação Industrial e Comercial de Café (AICC), vários estudos de forma a avaliar o melhor sistema para a reciclagem de cápsulas de café usadas. Assim, as empresas de produtoras de cápsulas Delta, JMV, Massimo Zanetti, Nestlé, NewCoffee e UCC entenderam criar um sistema próprio com o objetivo de dar aos seus consumidores uma solução ambientalmente sustentável e contribuir para uma economia circular através da correta valorização dos componentes das cápsulas usadas. Com a colaboração da Cascais Ambiente, demos início à implementação do primeiro sistema universal e abrangente a todos os tipos e marcas de café. Face ao sucesso deste projeto, o mesmo vem sendo replicado em vários outros Concelhos do país estando já presente em Guimarães, Lisboa e Cantanhede e prevendo-se a sua extensão em breve a outros concelhos.”

Artigo anteriorHonda e sai de cena: marca foca-se no segmento SUV
Próximo artigoCOP28 começou: 5 temas que estarão em cima da mesa