A Fundação Gulbenkian marca presença na COP28, participando e dinamizando vários eventos, dando a conhecer as suas iniciativas em prol do combate às alterações e à transição climáticas.

Cécile Bebiane Ndjebet, agrónoma camaronesa, ativista pela igualdade de género e a preservação dos ecossistemas em muitos países africanos, vencedora do Prémio Gulbenkian da Humanidade 2023, estará na COP28 a discutir, com outros vencedores e membros do júri do Prémio Gulbenkian para a Humanidade “Como pode a ação climática inspirar esperança”.

A Fundação Gulbenkian organiza e participa em vários outros programas, a convite do Ministério do Ambiente e da Ação Climática, no Pavilhão de Portugal na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, dando a conhecer as suas iniciativas em prol do combate às alterações e à transição climáticas, como sejam os projetos Gulbenkian Carbono Azul, Gulbenkian Água ou Ponto de Transição, além do Prémio Gulbenkian para a Humanidade, cujo período de nomeações está a decorrer.

Além dos eventos organizados no Pavilhão de Portugal, a Fundação Gulbenkian participará ainda noutras sessões e fóruns da COP28, aproveitando para partilhar boas práticas não só em termos de participação pública na ação climática e de proteção do oceano, como na promoção do papel da filantropia na criação de sociedades mais justas e sustentáveis.

Acelerar da ação climática através da participação pública
Domingo, 3 dezembro, 17:00, Pavilhão de Portugal

A participação dos cidadãos nos planos de ação climática cria confiança, conduz a decisões mais justas e aumenta o apoio público a mudanças transformadoras. Nesta sessão, será explorada a forma como os cidadãos, e em particular os que estão sub-representados, podem ser envolvidos na tomada de decisão em matéria climática. Serão apresentados trabalhos de investigação e estudos de caso sobre a melhor forma de mobilizar a sociedade civil para a ação climática e para uma transição energética mais justa. 

Participam neste painel Louisa Hooper (Fundação Calouste Gulbenkian), Noora Firaq (Climate Outreach), Pascale Taminiaux (King Baudouin Foundation) e Mariana Maraschin (Youth Climate Leaders).

Como pode a ação climática inspirar esperança? Conversa com os vencedores do Prémio Gulbenkian para a Humanidade
Quarta-feira, 6 dezembro, 17:00, Pavilhão de Portugal

Vencedores e membros do Júri do Prémio Gulbenkian para a Humanidade vão discutir a forma de manter a esperança perante a adversidade. Nesta conversa, serão partilhadas histórias, estudos de caso e exemplos inspiradores de pessoas e organizações que estão a desenvolver soluções concretas e a liderar o caminho rumo a um futuro mais sustentável – para as pessoas e para o planeta.

Participam nesta conversa Cécile Bibiane Ndjebet, Yani Saloh, em representação da comunidade Sungai Utik da Indonésia, que também venceu o Prémio Gulbenkian para a Humanidade de 2023, David Obura, Presidente da Plataforma Intergovernamental Científica e Política sobre a Biodiversidade e os Serviços dos Ecossistemas (IPBES), vencedora do prémio em 2022, e Runa Khan, fundadora da ONG Friendship e membro do Júri do Prémio Gulbenkian para a Humanidade.

Fundações portuguesas: na linha da frente da Transição Climática
Sexta-feira, 8 dezembro, 17:30, Pavilhão de Portugal

Promovido pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática, este encontro entre a Fundação Aga Khan, a Fundação Serralves e a Fundação Calouste Gulbenkian será palco para a apresentação de iniciativas inovadoras, neste campo, lideradas por instituições filantrópicas em Portugal. O papel dos jovens na definição de programas e políticas relativas ao clima, a diversidade e a inclusão e a educação transformadora estarão no centro do debate.

Participam neste encontro Louisa Hooper (Fundação Calouste Gulbenkian), Rui Costa (Fundação Serralves) e Nazim Ahmad (FundaçãoAga Khan). Moderação de Júlia Seixas (Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa).

Carbono Azul: experiências para um futuro sustentável
Sábado, 9 dezembro, 12:00, Pavilhão de Portugal

Esta sessão, promovida pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela ANP|WWF, vai debruçar-se sobre o papel que o oceano pode ter no processo de contenção das alterações climáticas. Será também apresentado o projeto Gulbenkian Carbono Azul, que está a desenvolver o conhecimento científico necessário para a criação de um mercado voluntário de carbono azul em Portugal. Serão ainda partilhadas experiências de conservação e restauro de ecossistemas de carbono azul na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, que tem uma costa com mais de 15 mil quilómetros.

Participam nesta sessão Ana Paula Leite Prates (Ministério do Meio Ambiente do Brasil), Aristides Muhate, (Fundo Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Moçambique), Raul Xavier, (ANP|WWF). Moderação de Sofia Barbeiro (Fundação Calouste Gulbenkian)

Artigo anteriorVoltalia aposta na melhoria do meio ambiente global e promove o desenvolvimento local
Próximo artigoEscolas deram ideias para tornar país mais verde