Os Sistemas de Distribuição de Água (SDA) são responsáveis pela captação, tratamento e transporte de água até aos consumidores, ao longo de vastas áreas territoriais, sendo crucial que esta operação se faça de forma segura e eficiente.

Estes sistemas têm um custo operacional bastante elevado, devido ao seu consumo energético, o que se traduz também no custo da água e originam impactes ambientais significativos, em consequência do substancial consumo energético, emissão de Gases com Efeito de Estufa (GEE) e perdas de água.

Para tentar melhorar a eficiência dos sistemas de distribuição de água, foi promovido o projeto LIFE Smart Water Supply System (SWSS) com o objetivo de tornar estes sistemas mais eficientes, através da demostração de uma plataforma inovadora de gestão e tomada de decisão.

A otimização dos sistemas de distribuição de água traduz-se num ganho económico e ambiental.

“A eficiência hídrica consiste, precisamente, na capacidade de utilizar de forma otimizada os recursos hídricos disponíveis, minimizando desperdícios e promovendo práticas sustentáveis no uso da água. E, num contexto global de crescente escassez hídrica e mudanças climáticas, a eficiência hídrica torna-se crucial em vários setores. Além disso, investir em pesquisas e inovações para a gestão sustentável dos recursos hídricos é essencial para garantir a preservação deste recurso vital para as gerações presentes e futuras. Daí a importância deste projeto”, sublinha Pedro Matias, presidente do Grupo ISQ.

O LIFE SWSS foi um projeto de demonstração, financiado pelo programa europeu LIFE, cujo consórcio foi coordenado pelo ISQ, tendo como parceiros o Grupo Águas de Portugal, a ADP LVT/EPAL, a Águas do Algarve (AdP), o Instituto Superior Técnico (IST) e a Hidromod.

“Com base no estudo dos consumos de água e nas condições ambientais, será possível, com o Life SWSS prever a necessidade de água, de um dia para outro, e com isso otimizar as operações de distribuição e armazenamento de água, planeando-as antecipadamente para que coincidam com tarifas mais favoráveis”, explica o ISQ.

O conceito do projeto assentou na caracterização pormenorizada dos SDA, no desenvolvimento de modelos de simulação e otimização e na verificação e validação destes modelos, para que sejam aplicados e demonstrados em condições reais.

Os principais resultados expectáveis com a conclusão do projeto passam pela redução de 15% de energia consumida e emissões de GEE em cada um dos sistemas demonstradores, bem como redução nos custos operacionais na distribuição de água, da percentagem média de perda de água, ente os 0,8% e os 2,6%, consoante o sistema demonstrador.

Este protótipo de plataforma de gestão representa um acréscimo de eficiência na gestão do recurso água.

Em concreto, “com os projetos piloto implementados em sistemas geridos por empresas do Grupo AdP – a Águas do Vale do Tejo, com dois casos de estudo, e a Águas do Algarve – estimou-se uma redução de 15% no consumo de energia e na respetiva emissão de dióxido de carbono (CO2) e uma redução nas perdas médias de água que pode chegar aos 2,6%”, afirma a AdP.

Artigo anteriorStellantis lançará oito BEV entre 2024 e 2026 com base na sua plataforma maior
Próximo artigoNasce em Lisboa uma nova ponte ciclopedonal