Voltalia fechou o ano de 2023 com o registo de um crescimento superior a 20% no quarto trimestre. As vendas de energia somaram um crescimento superior a 16% devido a um aumento da produção em relação a 2022 (+11% para 1,3 TWh). Quanto aos serviços, o crescimento foi mais de 24% (após eliminações), principalmente devido aos contratos de construção para clientes terceiros na Irlanda, em paralelo com uma atividade interna particularmente dinâmica (eliminada na consolidação) de +50%, devido ao pico nos estaleiros de construção por conta própria.

A Voltalia registou também um “nível recorde de entrada em funcionamento durante o segundo semestre: 662 megawatts, incluindo 316 megawatts só no quarto trimestre”, lê-se em comunicado de imprensa. A capacidade em funcionamento aumentou +51% para 2,37 gigawatts, excedendo o objetivo de 2,3 gigawatts anunciado em outubro de 2023. Quanto à capacidade total, no final de 2023 era de 2,85 gigawatts, “muito acima do objetivo inicialmente fixado em 2019 de 2,6 gigawatts”. Segundo a Voltalia desta desta forma a empresa contribuiu “para a transição energética, com uma produção equivalente ao consumo de eletricidade de 5,5 milhões de pessoas”.

Foi também possível à empresa a “confirmação do objetivo de EBITDA normalizado para 2023 de cerca de 275 milhões de euros”, o que representa uma duplicação em relação a 2022 e um aumento de quatro vezes em relação a junho de 2019. Para este objetivo contribuíram “realizações importantes no segundo semestre do ano, incluindo vendas de projetos em França e no Brasil”.

“O ano de 2023 marcará a história da nossa empresa através dos desempenhos notáveis que alcançámos graças à mobilização inabalável das equipas, a quem agradeço sinceramente o seu empenho. Atingimos um marco significativo com o comissionamento de 795 MW, excedendo em muito os objetivos que estabelecemos para nós mesmos em 2019. As nossas equipas já estão totalmente mobilizadas para alcançar as ambições do grupo até 2027. Para além dos sucessos financeiros, gostaria de destacar o progresso significativo no desempenho não financeiro do Grupo, com classificações em constante melhoria, demonstrando assim a nossa posição como um dos principais contribuintes para um futuro energético sustentável”, afirma Sébastien Clerc, CEO da Voltalia.

Artigo anteriorA chave para um futuro sustentável está na educação ambiental
Próximo artigoCitroën ë-C3: período de encomendas acaba de abrir