A Câmara Municipal de Aveiro inaugurou no início de fevereiro o novo Ferryboat 100% Elétrico, batizado com o nome de Salicórnia. “O transporte, desenvolvido inteiramente em Portugal [pelo Grupo ETE nos estaleiros da Navaltagus, no Seixal] para servir uma região portuguesa, é também o primeiro ferry elétrico da Península Ibérica e do Sul da Europa. Esta embarcação tem zero emissões de CO2, permitindo a redução da emissão das mais de 300 toneladas de CO2 libertadas pelo modelo em funcionamento, diminuindo igualmente em cerca de 30% o consumo energético”, esclarece o município em comunicado.

A Salicórnia era, para os Marnotos, no cuidar das Salinas, uma erva daninha e invasora, que a moderna cozinha transformou num vegetal gourmet muito utilizado como apontamento distintivo e salgado, passando agora a Salicórnia a receber cuidados de produção nas Marinha de Sal”, afirma o presidente da Câmara Municipal de Aveiro, Ribau Esteves, considerando ser esse um “fator determinante na escolha do nome do novo Ferryboat elétrico, somando uma outra ideia que respeita ao facto da Salicórnia ser também “um símbolo de equilíbrio e sustentabilidade ambiental”.

“Quisemos um nome que se ligasse ao território, que fosse da Ria e da Região de Aveiro um elemento diferenciador e que demonstrasse a capacidade de adaptação, de reinvenção tornando um mal dispensável num bem relevante, testemunho de sustentabilidade e de boa gestão da natureza e da sua relação com o homem. Relembro que, em Aveiro, esta é uma ligação de várias centenas de anos e que a sustentabilidade ambiental é algo fundamental para que possamos viver desde sempre o fantástico território Aveirense”, concluiu.

Durante os três primeiros meses de operação do Salicórnia, e devido à necessidade de monitorização técnica permanente do navio nesta primeira fase, o antigo Ferryboat Cale de Aveiro ficará disponível para garantir a manutenção do serviço, sempre que se verificar necessidade de realizar operações técnicas com o novo Ferryboat Elétrico, em regime de estaleiro. Trata-se de um procedimento normal e devidamente previsto para este tipo de embarcação e tecnologia inovadora utilizada.

O navio tem capacidade para transportar 260 passageiros e 19 viaturas, mais 90% e 30% respetivamente do que o atual ferryboat.

Para o Grupo ETE, este projeto vem reforçar a sua aposta em soluções ambientalmente sustentáveis, bem como destacar as suas fortes competências na Engenharia e Construção Naval, posicionando-o no mercado com uma capacidade de resposta maior a projetos semelhantes no futuro. Em simultâneo, fomenta a indústria naval portuguesa, elevando-a a exigentes padrões de qualidade e fiabilidade, nos quais o Grupo se revê.

“A construção do 1.º ferryboat elétrico de Portugal, é para nós, Grupo ETE, um motivo de enorme satisfação, pois permite-nos dar resposta a um desafio na área da mobilidade, bem como reforçar aquela que é a nossa estratégia de transição para uma engenharia naval mais sustentável e ambientalmente responsável”, afirmou, durante a visita, Francisco Barbosa, diretor do Estaleiro Navaltagus, empresa do Grupo ETE. Acrescentou ainda que “este projeto é também um exemplo do duplo compromisso do Grupo ETE com o país, na medida em que terá um contributo visível para a promoção dos estaleiros e da sua capacidade de desenvolver soluções a nível nacional, bem como contribuirá para o desenvolvimento da Região de Aveiro, onde o Grupo marca presença há mais de 30 anos.”

A esta capacidade reforçada de transporte acrescenta-se o aumento do conforto para os passageiros, graças aos baixos níveis de ruído, e uma vista panorâmica 360º no piso superior, que irá permitir aos utilizadores usufruírem das paisagens únicas da Ria de Aveiro e de São Jacinto.

O novo Ferryboat Salicórnia integra a operação da Aveirobus e faz uma carreira regular que liga São Jacinto ao Forte da Barra. O projeto é cofinanciado pelo POSEUR, Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo de Coesão (FC). O investimento total é de 7.326.490,13 euros com o apoio do Fundo de Coesão no valor de 2.168.321,53 euros.

Sistema de carregamento

Para ser possível a operação do Ferryboat Elétrico, a Câmara Municipal de Aveiro adjudicou, no passado mês de novembro, a execução dos sistemas de carregamento para operação do novo Ferryboat 100% Elétrico, pelo valor de 1.409.479 euros ao agrupamento de empresas constituído pelas Ahlers Lindley, Lda. e a ETG – Empresa de Gestão e Transporte S.A..

Os sistemas de carregamento, que ficarão localizados em plataformas específicas instaladas em zona adjacente aos Cais de atracação do navio, em São Jacinto e no Forte da Barra, poderão ser operados por sistema automático ou manualmente, fator por demais importante na operacionalidade das travessias, na eficiência do sistema e do Ferry e no cumprimento dos horários dos transportes fluviais de Aveiro.

Este projeto pioneiro junta-se a outras iniciativas sustentáveis de mobilidade levadas a cabo pela Câmara de Aveiro – como a eletrificação dos moliceiros (que permitirão uma redução de 400 toneladas de CO2) e como autocarros 100% elétricos atualmente em operação no município, através da Transdev/ veirobus – reforçando o compromisso “We are green” da autarquia.

Fotografia: Câmara Municipal de Aveiro

Artigo anteriorBruxelas quer reduzir em 90% as emissões de gases com efeito de estufa até 2040
Próximo artigoLançado programa para apoiar startups com projetos nas áreas de energia e sustentabilidade