A Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA) e a AREANATejo – Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo são as duas entidades portuguesas que integram o projeto europeu RuralMed Mobility, que visa melhorar as infraestruturas de carregamento de veículos elétricos e facilitar a adoção da mobilidade sustentável em zonas rurais.

Com uma duração de 33 meses e um orçamento de 180.885,00€, este projeto é coordenado pela AGENEX – Agência de Energia da Extremadura (Espanha), contando com vários parceiros europeus oriundos da Bósnia, Bulgária, Croácia, Eslovénia, Espanha, Grécia, Itália e Portugal.

Este projeto faz parte do Programa INTERREG EUROMED 2021-2027.

Atendendo a que as áreas rurais são menos povoadas e financeiramente menos atrativas para os operadores de postos de carregamento aí instalarem terminais de carga, um dos objetivos específicos do RuralMed Mobility “é ajudar os municípios envolvidos a desenvolver uma rede piloto de carregamento de veículos elétricos, estudando a sua viabilidade e implementando eficazmente modelos de financiamento, opções de financiamento público e a contratação pública conjunta de serviços de aluguer de carros elétricos e de estações de carregamento de veículos elétricos”.

A Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA) é constituída pelos seguintes municípios: Alter do Chão, Arronches, Avis, Campo Maior, Castelo de Vide, Crato, Elvas, Fronteira, Gavião, Marvão, Monforte, Nisa, Ponte de Sor, Portalegre e Sousel.

Em conjunto, AREANATejo e CIMAA irão estudar quais serão as melhores localizações para as novas estações de carregamento em espaços rurais.

Será ainda realizado um estudo para analisar as necessidades e a viabilidade de um sistema de transporte elétrico sob consulta, em territórios populacionais de baixa densidade (como são os rurais), que também terá em consideração as vantagens do uso de veículos elétricos para viagens intermunicipais curtas e as reduções de CO2 associadas.

Será ao abrigo deste mesmo projeto que a CIMAA pretende avançar com a descarbonização da mobilidade diária, com a introdução de veículos elétricos na sua frota, cuja aquisição deverá acontecer em breve.

Artigo anteriorManequins femininos: mitos da igualdade de género na segurança automóvel?
Próximo artigoComunidades de Energia Renovável: vantagens, desafios e exemplos de projetos já implementados