A Range Rover deverá apresentar este ano um modelo elétrico, mas o especialista em conversão de veículos elétricos Lunaz agarrou num exemplar clássico e criou o primeiro Range Rover descapotável elétrico do mundo, assumindo que se tratou de uma das suas conversões mais demoradas até agora.

A empresa, que tem no seu portefólio a conversão de exemplares de eleição como Rolls-Royce Phantom V e Jaguar XK120, dedicou-se agora a criar este cabrio 100% elétrico.

O Range Rover Safari de James Bond

Inspirado no Range Rover Safari que James Bond conduziu no filme “Octopussy” (de 1983), este Range Rover exigiu 5.000 horas só em testes e desenvolvimento estrutural, com a preocupação para reforçar a carroçaria de modo a garantir a rigidez estrutural suficiente para suportar tanto a transmissão elétrica e a conversão para um cabriolet. Para esse efeito, as molas e amortecedores foram atualizados e introduzidos travões maiores.

Face ao Range Rover de 007, a pintura castanha foi trocada por um azul bebé e os dois bancos traseiros voltados para dentro foram substituídos por um layout mais convencional de quatro lugares.

O fundador da Lunaz, David Lorenz, realça que “estamos a mostrar que a nossa abordagem incrivelmente detalhada e exata pode ser aplicada a ícones mais divertidos, para que possam ser apreciados”.

“Acredito que este restomod eletrificado captura isso perfeitamente, elevando o Range Rover Classic a um lugar que combina perfeitamente a sua utilidade com um novo tratamento de design interior e exterior contemporâneo e executado com precisão”.

Tablier com madeira impermeável

Para o interior foram precisas 1000 horas, com a consola central impressa em 3D a levar dois anos para a Lunaz projetar, desenvolver e fabricar. O toque de modernidade passou também pela introdução de uma câmara de marcha-atrás e de um ecrã tátil de infoentretenimento capaz de espelhar o smartphone e compatível com Apple Carplay e Android Auto.

A empresa disse que esse tablier (revestido em nogueira impermeável e estofos em couro resistente à água e ao cloro) será usado por todos os seus futuros Range Rovers elétricos, para os quais já foram abertos mais 50 pedidos de construção.

Com dois motores, este clássico elétrico cabriolet tem 612 Nm de binário e 280 kW (380 cv), o que representa mais 15 cv do que a potência que a mesma Lunaz colocou num restomood de um Range Rover clássico fechado máximo.

Não foram dadas informações acerca da autonomia, mas podemos ter sempre em conta os dados do Range Rover Classic de capota rígida da Lunaz que pode percorrer cerca de 400 km com uma única carga da sua bateria de 90 kWh. A travagem regenerativa permite que o modelo recupere alguma energia.

Esta conversão custa 515 mil euros, sem impostos ainda.

Artigo anteriorUnilever FIMA e Gallo Worldwide reforçam frota elétrica com Volkswagen ID.4
Próximo artigoEspécies migratórias ameaçadas de extinção