A Stellantis poderá começar a produzir automóveis elétricos para o seu parceiro chinês Leapmotor na Polónia antes do final de junho. A produção poderá estar a funcionar já no segundo trimestre de 2024, segundo avança a Reuters.

Segundo esta agência noticiosa, a Stellantis planeia construir o pequeno elétrico T03 da Leapmotor na sua fábrica em Tychy. O Fiat 600e, entre outros, também está a ser produzido nesta fábrica desde o ano passado.

A Leapmotor International está sediada nos Países Baixos e deverá tornar-se outra marca do Stellantis Group para automóveis elétricos de baixo custo.

A Reuters refere ainda que a chamada tecnologia semi-knocked-down deverá ser utilizada para este pequeno automóvel elétrico. Isto implica a montagem final de kits que já vêm parcialmente montados em veículos acabados. Por enquanto, os dois fabricantes de automóveis não comentaram a informação.

O T03 tem 280 km de autonomia (WLTP) e já está a ser importado para alguns mercados europeus, como a França, e é vendido a preços a partir de cerca de 20.000 euros. A Leapmotor também está a planear vender o modelo SUV C10 na Europa, especificamente na Alemanha, França, Itália e Espanha. Não há informações sobre o mercado português, mas parece-nos que não é uma hipótese a descartar.

Em fevereiro, surgiram rumores de que a Stellantis poderia produzir automóveis elétricos para o seu novo parceiro chinês Leapmotor. Na altura, porém, os rumores centravam-se na fábrica de Mirafiori, em Itália. Esta notícia também se baseava em informações de fontes internas. De acordo com este relatório, até 150.000 unidades poderiam ser montadas anualmente em Itália a partir de 2026 ou 2027.

A empresa comum tem como objetivo vender 500 mil elétricos fora da China até 2030.

Na China, a Leapmotor pretende vender um milhão de automóveis elétricos por ano a longo prazo.

Em outubro de 2023, o Stellantis investiu 1,5 mil milhões de euros na Leapmotor e adquiriu uma participação de 20% no construtor chinês. O acordo incluiu também a criação de uma empresa comum denominada Leapmotor International, na qual a Stellantis detém 51% e a Leapmotor 49%. Na altura, ambas as partes anunciaram que a empresa comum teria “direitos exclusivos de exportação, venda e fabrico de produtos Leapmotor fora da China”.

O plano da Stellantis consiste em utilizar o “ecossistema de veículos elétricos altamente inovador e rentável” da Leapmotor na China, o que, segundo uma fuga de informação antecipada, se refere provavelmente à plataforma Leap 3.0 do fabricante chinês que foi apresentada no salão IAA, em Munique, em setembro. Na estreia, a Leapmotor sublinhou que estava aberta à cooperação, uma vez que a empresa não queria apenas construir automóveis, mas também tornar-se “um fornecedor de tecnologias de base para veículos elétricos”, como referiu na altura Zhu Jiangming, CEO da Leapmotor.

Artigo anteriorZeekr vai apresentar monovolume elétrico rival do VW ID.Buzz
Próximo artigoFábrica da Fuso no Tramagal, um modelo de sustentabilidade