A condução autónoma está a chegar. Após uma extensa fase de testes-piloto, em estrada, na Alemanha e nos EUA, a Volkswagen ADMT GmbH, uma organização da Volkswagen AG, anuncia um acordo de cooperação com a empresa tecnológica israelita Mobileye Global Inc. A Mobileye irá desenvolver e fornecer software, componentes de hardware e mapas digitais para o veículo de condução autónoma ID. Buzz AD (um protótipo que entrará brevemente em produção).

A essência do acordo abrange a entrega e a utilização de um sistema de condução autónoma (SDS) para uma versão especial do ID. Buzz (Consumo de energia em kWh/100 km: combinado 22,0 – 20,7; emissões de CO₂ em g/km: 0 em ciclo WLTP), que desde 2021 tem estado em desenvolvimento para condução autónoma. Corresponde à definição de Nível 4 da Society of Automotive Engineers (SAE), em que o veículo opera em condução autónoma numa área definida, como uma cidade. O SDS é composto por vários componentes de software e hardware, incluindo dois computadores independentes de alto desempenho, bem como 13 câmaras, nove sensores e cinco unidades de radar, sendo que cada sistema é capaz de produzir um ambiente de 360 graus. Uma ligação online permanente fornece aos veículos autónomos dados de outros utentes da estrada sobre o estado do tráfego, enquanto atualiza os mapas tridimensionais para um controlo seguro, fiável e eficiente do veículo.

“Colocar na estrada uma grande quantidade de veículos autónomos requer a cooperação de parceiros fortes”, afirma Christian Senger, membro do Conselho de Administração da Volkswagen Commercial Vehicles, responsável pela Condução Autónoma, Mobilidade e Transporte (ADMT): “Estamos a desenvolver o primeiro veículo totalmente autónomo de produção em grande escala utilizando o condutor digital da Mobileye”. A parceria tira partido das sinergias do sistema de condução automatizada no grupo Volkswagen: dependendo do nível de expansão e desenvolvimento, os módulos podem ser partilhados entre os níveis 2+ e 4 (classificação SAE), reduzindo os custos e facilitando a capacidade de expansão.

O objetivo da Volkswagen ADMT prende-se com o desenvolvimento do veículo autónomo totalmente elétrico ID. Buzz AD para utilização em serviços de mobilidade e transporte, a partir de 2026.

A Volkswagen ADMT posiciona-se como fornecedor de frotas inteligentes e das tecnologias de software necessárias, o que também inclui o controlo inteligente da frota: a MOIA, empresa do Grupo Volkswagen, também contribui com o seu know-how prático para o desenvolvimento do produto, operando o maior serviço de pooling de viagens privadas da Europa em Hamburgo desde 2019, tendo transportado mais de dez milhões de passageiros até à data.

O transporte de encomendas é outro cenário de aplicação para veículos autónomos. O mercado da logística tem crescido significativamente nos últimos anos devido à crescente quota do comércio eletrónico. A capacidade de entrega é já um dos maiores desafios que o setor enfrenta devido à escassez de condutores. O transporte autónomo oferece uma possível solução para esta escassez, assegurando uma capacidade de entrega a longo prazo, dando à Volkswagen ADMT a oportunidade de participar no crescente mercado de entrega de mercadorias.

A Volkswagen ADMT está a trabalhar intensamente no transporte autónomo de mercadorias para várias indústrias como um segundo pilar importante, juntamente com o transporte autónomo de passageiros. No futuro, os veículos autónomos poderão dirigir-se a determinadas estações de carga e descarga ou diretamente às moradas de clientes, de forma independente.

Os veículos autónomos para serviços de mobilidade e transporte podem ajudar a resolver a atual escassez de condutores, ao passo que os “robo-shuttles” promovem a qualidade de vida e o desenvolvimento económico das cidades.

A Mobileye Global Inc. é um dos principais fornecedores mundiais de tecnologia de condução autónoma enquanto desenvolvimento adicional de sistemas avançados de assistência ao condutor. A empresa é especializada no desenvolvimento de deteção baseada em computador, aprendizagem automática, análise de dados, localização e mapeamento. Os seus sistemas utilizam os dados de centenas de milhões de veículos de produção que já circulam atualmente na estrada.

Artigo anteriorRecolha seletiva de têxteis obrigatória a partir de 1 de janeiro. Municípios referem dificuldades
Próximo artigoPortugal deve preparar-se para mais e piores fenómenos extremos devido às alterações climáticas