A Goldbreak é uma empresa portuguesa dedicada à conceção e entrega de soluções de produção e armazenamento de energia elétrica, surgindo agora com uma proposta com uma tecnologia dirigida a grandes consumidores de energia e alternativa às baterias de lítio: baterias de fluxo de ferro para aplicações à escala industrial e de serviços públicos.

“As baterias de longa duração de fluxo de ferro são fundamentais para a descarbonização e implementação de energia limpa”, defende a Goldbreak.

A tecnologia destina-se a grandes consumidores de energia e pretende ser uma solução alternativa às baterias de lítio, afigurando-se, de acordo com os seus responsáveis, como “mais segura, sem impacto ambiental, mais económica a médio-longo prazo e possibilitando uma autonomia energética muito próxima dos 100%.” 

Fonte: ESS Tech

A chegada das duas primeiras unidades ao Porto de Leixões está prevista para o dia 11 de abril, em resultado da parceria estabelecida entre a empresa portuguesa Goldbreak e a empresa norte-americana ESS Tech, Inc, um dos principais fabricantes de sistemas de armazenamento de energia de longa duração, e terão como destino a unidade industrial Falual Metalomecânica, na Trofa, onde será simultaneamente instalada, também pela Goldbreak, uma central de produção fotovoltaica.  

Funcionamento

Uma bateria de fluxo é um tipo de bateria recarregável que armazena energia elétrica em dois tanques de eletrólito líquido e a libertam conforme necessário através de uma membrana que separa os dois tanques de eletrólito.

Cada bateria tem apenas quatro componentes: dois elétrodos (um ânodo/polo positivo e um cátodo/polo negativo); um separador (para evitar que os dois elétrodos façam curto-circuito); e um eletrólito (que permite que as partículas fluam).

Temos, assim, dois reservatórios cheios com líquidos em estados diferentes de oxidação, que reagem através de uma membrana, gerando cargas elétricas que são adicionadas (carregar) ou removidas (descarga) através dos elétrodos.

Durante a descarga, os eletrões fluem do ânodo para o cátodo, criando uma corrente elétrica. Durante a carga, o processo é revertido, com os eletrões a fluírem do cátodo para o ânodo. Este ciclo de descarga e de carga é o que permite que a bateria seja recarregada e utilizada sucessivamente.

Este tipo de baterias existe há muito, mas o facto de terem uma baixa densidade energética, não são usadas em automóveis ou smartphones, por exemplo. Mas, o seu baixo preço e o facto de não precisarem de materiais raros e caros, torna-as interessantes para fins industriais.

A Goldbreak refere que “as baterias de longa duração de fluxo de ferro possibilitam o armazenamento de energia elétrica em segurança, disponibilizando-a por longos períodos, sem limite de ciclos e a baixo custo. Garantem a disponibilidade de energia até 12 horas, permitindo a otimização dos investimentos em produção de energia de fontes renováveis, uma vez que permitem estabilizar o abastecimento de energia elétrica, reduzindo a perda de excedente e transferindo a energia verde dos períodos em que as fontes renováveis e intermitentes estão disponíveis para fases do dia sem produção”. 

“Entre as várias soluções inovadoras para responder à necessária transição energética, substituindo fontes primárias fósseis por renováveis, o armazenamento é fundamental para reduzir ao mínimo a perda de excedentes de produção de energia não consumida no momento em que as fontes estão disponíveis, como o sol, o vento, a água e outras fontes intermitentes” destaca António Queirós, Sócio-Gerente da Goldbreak.

Reforçando que “as baterias de longa duração de fluxo de ferro são uma solução segura e sem impacto ambiental, já que recorrem a elementos (água, ferro e sal) abundantes na natureza. A sua recolha é completamente inócua em termos ambientais e, embora a sua vida útil seja superior a 20 anos, a sua eliminação é igualmente inofensiva ambientalmente”. Por tudo isto, acreditamos que “a solução de armazenamento de longa duração assegurada pela tecnologia da ESS Tech, Inc. é uma resposta capaz às questões que a transição energética coloca às empresas e aos governos e trazê-la para Portugal é para nós motivo de grande orgulho”. 

Para Eric Dresselhuys, CEO da ESS Tech, Inc, “esta parceria demonstra de uma forma consistente o papel central que o armazenamento de energia de longa duração desempenhará num sistema de energia resiliente e sem carbono, demonstrando o papel crítico da tecnologia de fluxo de ferro num sistema de energia descarbonizado”.

Artigo anteriorPortugal deve preparar-se para mais e piores fenómenos extremos devido às alterações climáticas
Próximo artigo“Juntos a reciclar ++”: candidaturas já estão abertas