O Orçamento de Estado para 2024 (OE 2024) prevê 129 milhões de euros para um programa de abate de cerca de 45 mil veículos em fim de vida, assim como incentivos à compra de veículos elétricos.

No entanto, o Governo cessante decidiu adiar a regulamentação destas medidas, deixando a responsabilidade para o futuro executivo de Luís Montenegro.

Em 2023, os centros de abate da rede Valorcar desmantelaram cerca de 100 mil veículos, menos 7,5% do que em 2022. A Valorcar conclui que as estradas portuguesas têm a circular mais veículos que são mais poluentes do que os mais recentes.

Apesar do novo Executivo poder fazer retificações ao OE 2024, a convicção da Valorcar é de que essa medida seja mantida: “Achamos que seria importante manter essa medida e acreditamos que será mantida”, disse à Lusa o diretor de operações da Valorcar – Sociedade de Gestão de Veículos em Fim de Vida, José Amaral.

A Valorcar considera que o Governo, que toma posse esta segunda-feira, deve manter no OE 2024 os incentivos ao abate dos veículos em fim de vida para renovar o parque automóvel e melhorar o ambiente.

“Seria interessante, a nível nacional, promover medidas para reduzir a idade do parque automóvel e acelerar o processo dos veículos mais velhos serem entregues para abate”, diz José Amaral que refere que a idade média dos veículos em final de vida recebidos nos centros de abate da Valorcar ultrapassou os 24 anos em 2023, seguindo uma tendência que já vem de longe e refletindo o envelhecimento do parque automóvel português.

Artigo anteriorDefesa da biodiversidade vai ajudar a prevenir pandemias, explicam cientistas
Próximo artigoObjetivo: ser uma superpotência mundial em painéis solares