Tornou-se prática comum ver as empresas a referir que, com o seu investimento em energias renováveis, evitaram um determinado número de emissões de dióxido de carbono (CO2). Mas como são medidas estas emissões evitadas?

Lucie Perroys, analista de dados de sustentabilidade e ESG da Voltalia, esteve envolvida no desenvolvimento de uma ferramenta interna que mede com precisão as emissões de CO₂ evitadas. Ela partilha a sua experiência.

“A produção de eletricidade renovável é o principal negócio da Voltalia. Isto permite-nos evitar as emissões de CO2, eliminando a necessidade de energia baseada em carbono. É, portanto, importante medir o impacto positivo das nossas ações sobre as alterações climáticas”, explica Lucie.

Como é que se medem as emissões de CO₂ evitadas?

“A medição das emissões de CO2 evitadas baseia-se num princípio bastante simples. Envolve a distinção entre as emissões de uma situação de referência (em que a energia que utilizaríamos seria a energia baseada no carbono produzida pelas outras centrais elétricas existentes no país) e as emissões reais do projeto de energias renováveis”, começa por referir Lucie Perroys.

Esta especialista complementa a sua explicação dizendo que as emissões de cada projeto são “facilmente determinadas, uma vez que são calculadas diretamente pelo nosso Centro de Competências”.

A parte mais complicada – refere Lucie Perroys – “é calcular as emissões da situação de referência. Existem várias formas de o fazer, mas nós utilizamos uma metodologia internacionalmente reconhecida do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). Esta foi desenvolvida pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC)”.

Trata-se da seguinte fórmula:

Emissões de CO2 evitadas = emissões da situação de referência emissões reais do projeto

A Voltalia refere que capacita os seus colaboradores para calcularem as emissões de CO₂ evitadas. Todos os funcionários da Voltalia podem aceder a esta ferramenta interativa e de fácil utilização, alojada na Intranet da empresa.

A sua utilização é intuitiva, destaca a Voltalia. Para cada projeto, os utilizadores selecionam o país e a tecnologia (biomassa, hídrica, solar ou eólica), introduzem a produção anual em MWh e a intensidade de carbono da futura central elétrica para obter o resultado.

“Atualmente, não existe uma metodologia única internacionalmente. Isto torna o cálculo das emissões de CO2 evitadas complexo e desafiante. Com a nossa ferramenta, todos os funcionários da Voltalia podem calcular as emissões evitadas utilizando a mesma metodologia. Costumávamos ter muitos problemas de falta de alinhamento – eram utilizadas diferentes metodologias em diferentes países – mas agora estamos todos alinhados”.

“O cálculo do co2 evitado é um bom indicador de como a Voltalia contribui para descarbonizar o mix de eletricidade”

“A nossa ferramenta para calcular as emissões de CO2 evitadas fornece uma metodologia única para todo o Grupo. Foi revista e, o que é mais importante, certificada por um perito independente, a ekodev.”

Mas por que razão a Voltalia desenvolveu uma ferramenta interna em vez de recorrer a um fornecedor de serviços? “Um dos principais pontos fortes da ferramenta é o facto de nos dar controlo sobre os cálculos das emissões evitadas. O nosso objetivo era criar uma metodologia única partilhada por toda a empresa. Pensámos: temos todas as competências e conhecimentos necessários para a construir, por isso vamos fazê-lo”, responde a analista de dados de sustentabilidade e ESG da Voltalia.

“Ser transparente sobre a nossa metodologia e fontes é um objetivo importante para nós. Desenvolvemos uma folha de instruções que explica a nossa metodologia em termos simples, que também aparece no nosso relatório de desempenho não financeiro”, indica a especialista.

Em 2022, a Voltalia produziu mundialmente 3,7 TWh de energia renovável, evitando 1.436 quilotoneladas de CO₂. Para Lucie Perroys Analista de dados de sustentabilidade e ESG, este “é um resultado encorajador, especialmente considerando o nosso objetivo para 2027 de 4.000 quilotoneladas. Mostra que a Voltalia contribui ativamente para a redução de CO2, produzindo energia com baixo teor de carbono. No entanto, o objetivo final para todas as empresas de energia renovável seria zero emissões evitadas. Isto significaria que o planeta teria atingido uma mistura totalmente descarbonizada. Ainda não chegámos lá, mas estamos a trabalhar para isso!”
Artigo anterior50 anos do 25 de abril: Revolução dos cravos em Portugal, renascimento dos elétricos no mundo
Próximo artigoViseu encerra centro histórico ao trânsito durante cinco meses